Seculo

 

Rose nega esvaziamento do Podemos e aponta interesses 'desrespeitosos' de Hartung


11/04/2018 às 12:39
“O posicionamento do senador Romero Jucá [Roraima], do deputado federal Lelo Coimbra e do governador Paulo Hartung alarga o juízo de interesses pessoais, de forma inusitada e desrespeitosa, para impedir meu acesso ao Podemos e tumultuar minha convivência no MDB”. 
 
A afirmativa é da pré-candidata ao governo do Estado nas eleições deste ano, senadora Rose de Freitas, que aponta como estratégia de Hartung, seu principal adversário político, a divulgação de que sua filiação ao Podemos provocou o esvaziamento do partido no Espírito Santo.  Não houve esvaziamento do partido com a minha entrada, muito pelo contrário”, garantiu Rose. 
 
Prova disso, segundo ela, são as inúmeras manifestações de lideranças cujos nomes foram relacionados entre os que deixaram o partido e que continuam lhe apoiando, além de novas lideranças que vêm se agregando. 
 
Rose aponta a mesma forma de pressão para sua saída do MDB, motivada em meio a um embate em nível nacional com o presidente interino no exercício da Presidência, senador Romero Jucá, que articulou com o presidente estadual, Lelo Coimbra, a imposição do nome do governador Paulo Hartung como candidato à reeleição. 
 
“Não trabalho submetida à pressão”, disse Rose, citando a presidente do Supremo Tribunal  Federal (STF), ministra Carmen Lúcia, e completou: “Eles agem de uma forma inusitada, desrespeitosa”.
 
A situação de Rose não estava cômoda no MDB, como ela afirma, em decorrência de pressões da direção estadual, exercida pelo deputado Lelo Coimbra, braço forte de Hartung no partido.
 
A estratégia, a mesma de outras eleições, é esvaziar pré-candidaturas competitivas, a fim de que ele consiga capitalizar maiores dividendos políticos, sem o necessário debate em torno de programas de gestão. 
 
“No Podemos estou mais confortável e pronta para a campanha”, disse Rose, acrescentando que tem dúvidas de que Paulo Hartung tenha o controle dos 200 delegados do MDB que irão escolher o candidato na convenção partidária a ser realizada entre julho e agosto. 
 
Rose já demonstrou estar preparada para o embate contra o governador, que tenta o mais que pode impedir as ações de adversários. Essa disposição para o enfrentamento ocorreu durante a inauguração do Aeroporto de Vitória, dia 29 de março.
 
Passando à frente de Hartung, Rose organizou a festa, que contou com a presença de Michel Temer, ministros e outras autoridades, de tal forma que ele deixou de comparecer, justificando de uma forma inusitada a sua ausência.  
 
“Não sei se ele (Hartung) tem o controle do partido, pois recebo muitas manifestações de delegados e lideranças do MDB, mesmo depois de minha saída. São pessoas ligadas com as quais possuo história”, completou. 
 
No Podemos, por exemplo, Hartung conseguiu impedir a filiação do prefeito de Vila Velha, Max Filho, depois de acertos com o presidente nacional da sigla, senador Álvaro Dias.  
 
No caso de Rose, o governador tentou sem êxito impedir a sua entrada junto à direção nacional, no entanto, conseguiu que o deputado estadual Hudson Leal fosse para o PRB, partido onde ele constrói seu bloco de apoio. 
 
A filiação de Rose ao Podemos ocorreu no final da tarde de sábado (7), fim do prazo permitido para a troca partidária, surpreendendo o mercado político, uma vez que no dia anterior ela divulgara nota afirmando que permaneceria no MDB e disputaria o governo do Estado. 
 
Na mesma ocasião, o deputado Hudson Leal, uma das lideranças do partido, passou para o PRB, sigla que está sendo inflada por Hartung. Rose contesta e diz contar com importantes bases de sustentação de sua campanha.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Homicídios de jovens negros aumentaram mais de cinco vezes em 20 anos no Estado

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba