Seculo

 

Começa o embate


11/04/2018 às 17:19
Com três pré-candidaturas ao governo do Estado definidas - Rose de Freitas (Podemos), Renato Casagrande (PSB) e o governador Paulo Hartung  -, faltando apenas acertos para as acomodações de novos filiados, desfiliados e insatisfeitos nos partidos, o campo político começa a receber os elementos que irão contextualizar o embate para as eleições deste ano. 
O mais recente episódio é o desdobramento da tumultuada, embora discreta, saída da senadora Rose de Freitas do MDB, partido no qual ela conseguiu construir robusta base de sustentação junto às prefeituras. 
Um cenário que assusta o governador Paulo Hartung, que não mede esforços para reverter o quadro, por meio de ações da máquina pública ao seu dispor. 
A entrada de Rose no Podemos empurrou porta afora o deputado estadual Hudson Leal, como parte de uma estratégia palaciana, mas, nesse caso, o impedimento gorou, ao contrário do que ocorreu com o prefeito de Vila Velha, Max Filho, barrado na porta do mesmo partido. 
Como não é segredo para ninguém que os movimentos da classe política são impulsionados por acomodações de interesses pessoais não revelados, fica a indagação sobre as verdadeiras motivações: liberação de recursos financeiros para o reduto eleitoral ou concessão de cargos comissionados no governo? 
O período de acomodações vai até julho, quando termina o prazo para definição de candidaturas, emperrado propositadamente por Hartung, que retarda o quanto a definição da chapa completa de seu bloco, inclusive, se irá concorrer à reeleição. Até lá, é jogo pesado nos bastidores do cenário.
Neste ano, a eleição será definida em segundo turno e esse é um diferencial que muda o quadro do último pleito, quando Hartung e Renato Casagrande polarizaram as preferências do eleitorado. Com três concorrentes, Hartung fica em situação mais complicada. 
Isso porque tanto Rose quanto Casagrande possuem um alvo em comum, Hartung, o que não ocorre do lado dele, obrigado a desconstruir arquiteturas políticas perfeitamente harmonizadas quanto ao objetivo final, em outubro, que poderá provocar uma alteração radical na política capixaba, com melhorias para a sociedade, mesmo que não ocorram as mudanças esperadas no modelo de gestão pública, considerando que os três candidatos leem a mesma cartilha neoliberal.     
Em termos políticos, a situação de desconforto de Hartung é clara, como ficou demonstrado nos últimos dias, com a apressada filiação ao PSDB do ex-secretário de Segurança, André Garcia, apresentado como pré-candidato ao governo, retirado logo em seguida e colocado no MDB, no dia 7 deste mês. 
Uma cena que pode se repetir, com Garcia candidato do governo para encarar a eleição de outubro, caso Hartung confirme nas pesquisas que não tem mais o favoritismo de passado recente. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Secom
'Esquenta'

Com a a abertura das convenções partidárias, nesta sexta-feira, o mercado ganhou maior intensidade com o racha na base de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

'Esquenta'

Largada embolada

Comando da PM não comparece em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça

Projeto que obriga barreiras de proteção na Terceira Ponte tem parecer favorável na Ales

Mistério Público investiga Secretaria de Saúde de Cariacica por irregularidades em prestações de contas