Seculo

 

‘Meritocracia capixaba’


12/04/2018 às 18:18
Existe aquele ditado: determinadas atitudes são consideradas ilegais por confrontarem diretamente legislações que estão em vigor. Outros atos, no entanto, podem até estar dentro da lei, mas têm moralidade duvidosa. O Egrégio Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) e o Banestes, banco estatal, estão envolvidos em episódios recentes que abarcam essas duas situações. 
Em julho de 2017, o genro do desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama, atual presidente do TJES, Tiago Cunha Ferreira, se tornou servidor licenciado do Tribunal, local em que exercia a função de analista judiciário da 2ª Vara Criminal da Serra, para ser cedido ao Banestes e atuar como superintendente jurídico. 
Primeira ilegalidade.
De acordo com o Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - Lei Federal n.º 8.906/94 – estão impedidos de exercer a advocacia ocupantes “de cargos ou funções vinculados direta ou indiretamente a qualquer órgão do Poder Judiciário”. A “incompatibilidade permanece, mesmo que o ocupante do cargo ou função deixe de exercê-lo temporariamente”. 
O cargo no banco estatal, por sua vez, é de direção a que está subordinado um grupo de advogados. Tiago, para ser nomeado, precisaria ter o registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), já que é apenas bacharel, não pode ter advogados trabalhando sob sua subordinação. 
Segunda ilegalidade.
De novo, diz o Estatuto: “são privativas do advogado as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídicas, tanto no setor público, privado quanto no assistencial”. O Regulamento Geral do Estatuto da Advocacia e da OAB, que regulamenta a Lei n.º 8.906/94, em seu artigo 7º, é ainda mais claro: “a função de diretoria e gerência jurídicas em qualquer empresa pública, privada ou paraestatal, inclusive em instituições financeiras, é privativa de advogado, não podendo ser exercida por quem não se encontre inscrito regularmente na OAB". 
A situação continuaria assim até o fim do prazo de cessão de Tiago (31 de dezembro de 2019), não fossem denúncias de membros do próprio Judiciário, que vieram à tona por meio de Século Diário. Lá atrás, aliás, a saída dele já havia sido alvo de críticas, por outro motivo: agravaria a defasagem de pessoal do Judiciário, em nome de um cargo político.
Apesar da gravidade da atual situação, nenhum órgão envolvido quis se posicionar a respeito. Nem TJES, nem Banestes, nem sindicato da categoria, nem Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – federal e local -, embora seja uma de suas atribuições fiscalizar e garantir o exercício legal da profissão. Em outros casos semelhantes, contraditoriamente, a OAB-ES tomou medidas enérgicas, inclusive, citando a Lei de Contravenções Penais.
A Ordem, inclusive, apesar de já ter recebido denúncia, procurada mais de uma vez, na figura de seu presidente, Homero Mafra, se esquivou de comentar o caso, quanto mais anunciar qualquer medida. Alegando estar "ocupado em viagens", Mafra alegou não ter tido tempo para analisar o caso, mesmo passados vários dias.
O silêncio generalizado seria sintomático? Revelador? Mistério...
No mesmo dia em que a matéria foi publicada, nessa terça-feira (10), o presidente do Tribunal assinou o ato de exoneração do genro do cargo efetivo que ocupava no órgão. Liquidado, então, o primeiro impedimento. E o outro? Novamente, silêncio.
Para despertar ainda mais atenção dos bastidores jurídicos sobre essa relação TJES x Banestes, no último dia dois de abril, o Tribunal tornou público, por meio do Diário Oficial, o ato nº 200/18 (assinado por Gama), nomeando Sergio Figueira Sarkis Filho para exercer o cargo em comissão de assessor de nível superior do Tribunal. Sérgio é irmão do presidente do Banestes, Michel Sarkis, que assumiu a presidência da instituição financeira em 31 de janeiro de 2017.
Os casos em questão são apenas mais alguns capítulos de um Estado onde, há anos, grupos dominam a cena política e jurídica, evidenciando relações próximas entre órgãos, instituições e famílias tradicionais. Algumas delas já foram alvos de denúncias de nepotismo cruzado, fraudes em concursos e venda de sentenças, como revelados no escândalo da Operação Naufrágio, de 2008, e até hoje sem julgamento. 
No resumo do resumo: é a famosa “meritocracia capixaba”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Gandini e a máquina

Atual 'sacada' eleitoral de Fabrício Gandini é na área de segurança e com reforço de comitiva da prefeitura, onde até outro dia era o ''supersecretário''

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Agricultores orgânicos de Santa Maria de Jetibá e de Linz organizam intercâmbio

Ministro do STF mantém afastamento do prefeito de Itapemirim

MPF quer que motoristas multados tenham acesso às imagens das infrações

STJ concede habeas corpus para ortopedista preso em Lama Cirúrgica

Câmara de Vitória realiza a primeira de três audiências sobre Escola Sem Partido