Seculo

 

'Rei afogado'


13/04/2018 às 13:02
Nas articulações políticas, como no jogo de xadrez, há posicionamentos adotados, muitas vezes a contragosto, para retardar avanços dos adversários quando o jogador se vê em dificuldade para romper as barreiras colocadas à sua frente. 
A posição denominada “Rei afogado” ocorre quando o Rei encontra-se encurralado em uma posição da qual não consegue sair, embora não seja xeque-mate, porque nenhum lance poderá livrá-lo das tropas contrárias. 
A formação de um bloco de oposição ao governador Paulo Hartung (MDB), por analogia, o colocam bem próximo a uma situação parecida com essa posição do jogo de xadrez. 
O avanço de forças contrárias articuladas nos últimos três anos ergueu um cenário em que o governador não encontra mais um campo propício para se autodenominar como “salvador da pátria”, o “cara”,  no ditado popular, como ocorreu em algumas ocasiões em que ele apareceu como única alternativa capaz de administrar o Estado.
Ele insiste em manter essa imagem, como muito bem comprovam os discursos com o tom heróico, ao modo do teatro grego a exaltar os deuses do Olimpo, observados, invariavelmente, em suas aparições públicas:  forma quadros, antevê o futuro, formata o Estado para um novo e alto patamar de desenvolvimento, um oásis nesse Brasil a caminho do fundo do poço, assim Hartung fala.
Joga bem, sabe manejar as pedras e avança com seus peões como no xadrez, casa a casa no tabuleiro político. Inicialmente, ele apresentou cinco, todos potenciais candidatos ao governo nas eleições deste ano. 
O primeiro é o vice-governador César Colnago, depois vem o senador Ricardo Ferraço, ambos do PSDB, o ex-secretário de Segurança André Garcia (MDB), o presidente da Assembleia Legislativa, Erick Musso (PRB), e, por último, o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT).
A definição sobre o escolhido, segundo ele afirmou em entrevista à imprensa, e para que a analogia com de xadrez seja mais precisa, vale lembrar que no jogo os peões são sete, portanto, faltam dois. São eles o prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), e o próprio Hartung, se estiver disposto a encarar uma disputa à reeleição.
A decisão para a reeleição, no entanto, só ocorrerá se houver desfalque no campo adversário, com a desistência de um dos dois oponentes, o ex-governador Renato Casagrande (PSB) e a senadora Rose de Freitas (Podemos), difícil de acontecer, mas não totalmente impossível, porque em política, como no xadrez, tudo é possível, ainda mais que no campo político as regras não são tão rígidas como no tabuleiro.  
Na realidade, o cenário  demonstra que Hartung usa sua infantaria visando abrir barreiras, desviar o foco e tentar mudar a situação. Para tanto, recorre até mesmo a nomes como do ex-secretário André Garcia, que nunca foi testado nas urnas, é desprovido de histórico político, além de desgastado com a greve da Polícia Militar e os índices da violência no Estado.  
Ao retardar a definição e apresentar nomes de possíveis candidatos, Hartung monta uma estratégia de defesa, para não cair como o  “Rei afogado” do xadrez, diante de uma oposição que se fortalece a cada jogada. 
Desse modo, para evitar uma possível derrota, caso prevaleça o avanço da oposição, o governador prepara o tabuleiro para colocar um peão, que não pode retroceder, pois perdeu a capacidade locomotora. Tem que avançar, nem que seja para ser sacrificado. 
Quanto rei, escapa e toma seu assento.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Homicídios de jovens negros aumentaram mais de cinco vezes em 20 anos no Estado

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba