Seculo

 

Tempos fraturados


14/04/2018 às 11:45
A candidatura ao governo do Estado da senadora Rose de Freitas (Podemos) criou a convicção no meio político de que a eleição vai para o segundo turno, quebrando o cenário armado de uma disputa entre o governador Paulo Hartung e o ex-governador Renato Casagrande (PSB).
 
Segundo turno é sempre uma incógnita, e esse negócio de incógnita, não é para PH. Ele gosta de jogo jogado só por ele. Então, montou um quadro em que pode ser candidato ao governo ou não. Para a segunda hipótese, listou cinco nomes como prováveis candidatos, com destaque para o secretário de Segurança Pública, André Garcia (MDB).
 
Por que André Garcia? Acho que pelo fato dele não ter a nódoa de ser político, já que, hoje, está difícil ser. Situação diferente dos demais – o vice César Colnago (PSDB), os deputados estaduais Amaro Neto e Erick Musso, ambos do PRB, e o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT).
 
Além disso, Garcia sempre viveu no noticiário diário, dando dribles de que a atuação dele à frente da pasta fez cair a criminalidade no Espírito Santo. 
 
PH ameaça, sentado na cadeira de governador, ser ele o candidato ou um dos listados. Como sempre, diz que resolverá depois. No caso de ter de sustentar a própria candidatura, a barra vai pesar. Seus movimentos nessa condição tendem a atrair tiroteios de Casagrande e Rose, embora o histórico da Rose com PH é de sempre apanhar e não bater. 
 
Aliás, essa relação sempre me leva a achar que a senadora pode fraquejar na hora H, e jogar por terra toda essa possibilidade de entrar em uma disputa que represente realmente uma ameaça à continuidade de PH no poder. 
 
Caso Rose não fraqueje, não será surpresa Hartung preferir lançar alguém como candidato em seu lugar, pois o que gostaria, mesmo, é de disputar uma eleição contra Casagrande. Eles se conhecem. São águas da mesma pipa. Sem contratempos, portanto. 
 
Logicamente, com o aparelho de governo na mão, PH teria ampla possibilidade de abater Casagrande. Mas, desta vez, esbarrando em um complicador para o seu grupo, que é a candidatura do deputado estadual Sergio Majeski, agora no PSB de Casagrande, para disputar o Senado. 
 
Interessante é que quando PH faz a lista de candidatos, depois, ainda inclui o prefeito da Serra, Audifax Barcelos, da Rede. Sem propósito. A Rede está totalmente fora do espectro de coligações de PH. Por que dar visibilidade à Rede e seu candidato? PH quer afundar ainda mais o seu partido? 
 
Lembrando que o governador já tirou do MDB a presidência da Assembleia, privilegiando com seu apoio o deputado Erick Musso, filiado no partido que virou abrigo dos aliados de PH.
 
O que representa isso? Nem eu tenho hipóteses para explicar a atitude de alguém que vai contra seu próprio partido. 
 
São coisas exclusivas do modus operandi de PH.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace