Seculo

 

Entidades na luta contra o desmantelamento do SUS


16/04/2018 às 19:43
Tem sido um movimento bem articulado e que, com apoio do Congresso Nacional e da caneta do governo Michel Temer, se espalha pelos estados e municípios brasileiros, incluindo o Espírito Santo. A terceirização generalizada dos serviços públicos, incluindo áreas essenciais como a da saúde, já é uma realidade que pode comprometer uma política construída por anos de debates da sociedade civil: o Sistema Único de Saúde (SUS). 
Entidades capixabas - como a Federação das Associações de Moradores e Movimentos Populares do Espírito Santo (Famopes), o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde no Estado (Sindsaúde-ES), além dos conselhos (estadual e municipal) - entraram na luta em defesa da universalidade e da gratuidade da saúde pública. O objetivo é também resistir aos vínculos de trabalho precários dos trabalhadores, o que afeta a qualidade do atendimento prestado à população. A privatização drena recursos para empresas privadas, aumentando os custos sem, necessariamente, ampliar a oferta de serviços. 
Após a aprovação da lei da terceirização (nº 13.429/17) e dos congelamentos dos gastos públicos em saúde e educação por 20 anos (Emenda Constitucional 15), em 2017, foi pavimentado o caminho para um processo, que, no Estado, teve um início ainda tímido em 2009, com a terceirização da gestão da primeira unidade estadual, o Hospital Central em Vitória. Desde a promulgação das duas legislações, a privatização tem avançado. 
De acordo com o presidente da Famopes, Dauri Correia da Silva, amparados pelas duas legislações, cidades como Cariacica, Serra e Linhares apresentaram projetos às Câmaras que são praticamente cópia do texto da Lei 13.429/17. As legislações dão amparo legal para que recursos públicos sejam repassados a empresas de natureza privada que assumem a gestão de serviços essenciais como o da saúde. “Tudo foi bem articulado em Brasília e tem sido apresentado às prefeituras. Os projetos de Cariacica e Serra, por exemplo, têm os textos praticamente iguais à lei federal da terceirização”. 
Uma forma que as entidades encontraram de resistir é levar a discussão para os conselhos de saúde, tanto o estadual quanto os municipais. Instância máxima deliberativa, resolução dos conselhos podem proibir a terceirização dos hospitais e unidades de saúde. 
O Conselho de Saúde de Cariacica, por exemplo, aprovou uma resolução que impede a terceirização de unidades de saúde da cidade, incluindo os postos de saúde e as unidades de pronto-atendimento, os PAs. A decisão foi tomada em março deste ano em reunião deliberativa da entidade. “Sabemos que a prefeitura tem a intenção de terceirizar e tem se movimentado para isso há alguns anos, mas o Conselho Municipal de Saúde se antecipou à efetivação desse sistema e deixou claro sua posição sobre o tema em forma de resolução, que o município precisa cumprir”.  
De acordo com Dauri Correia, a medida foi tomada para evitar que o poder público municipal entregue o serviço às Organizações Sociais, empresas teoricamente sem fins lucrativos e que estão assumindo a gestão do SUS tanto dos hospitais estaduais quanto das estruturas de saúde das cidades. Daury afirma que, no dia 1º de março, a Prefeitura de Cariacica chegou a publicar em Diário Oficial do Estado a aprovação de duas OSs para gerir os PAs do município. 
Em Linhares, um projeto de lei de terceirização irrestrita a todos os serviços públicos está sendo discutido na Câmara. Depois de pressão dos movimentos sociais, ele foi retirado da pauta de votação da última sessão. 
Neste ano, o secretário de Estado da Saúde, o economista Ricardo de Oliveira, apresentou o “Novo Modelo de Gestão” para privatizar mais seis hospitais, um deles (hospital estadual de Barra de São Francisco), com edital já lançado. Até outubro do ano passado, outras três unidades já haviam sido terceirizadas: Jones dos Santos Neves (Serra), São Lucas  - hoje Hospital Estadual de Urgência e Emergência (HEUE/Vitória) - e o Hospital Infantil de Vila Velha (Heimaba). 
Desmonte do SUS
Entidades dos movimentos sociais denunciam que, no dia 10 de abril de 2018, em Brasília, ocorreu o "1º Fórum Brasil - Agenda Saúde: a ousadia de propor um Novo Sistema de Saúde", organizado pela Federação Brasileira de Planos de Saúde, com participação do Ministério da Saúde, de deputados e senadores.
Durante o evento, foi apresentada proposta de desmantelamento do SUS pela via do estrangulamento de seu financiamento. Entre suas características, segundo apresentação feita por Alceni Guerra, ex-ministro da Saúde no governo Collor e ex-deputado federal pelo DEM, estaria a transferência de recursos do SUS para financiar a Atenção de Alta Complexidade nos planos privados de saúde. A meta, segundo ele, seria garantir que metade da população deixe de ser atendida de forma pública, universal e gratuita e passe a ser atendida exclusivamente de forma privada.
Os planos privados de saúde teriam, assim, duplo financiamento: com recursos dos próprios usuários e do Estado. De outro, para o SUS, o subfinanciamento, com seus recursos sendo canalizados para empresários da saúde. Para garantir seus interesses, propuseram ainda que um Conselho Nacional de Saúde Suplementar passe a ter o mesmo poder do atual Conselho Nacional de Saúde, enfraquecendo a participação popular na formulação, acompanhamento e controle sobre a política pública.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Homicídios de jovens negros aumentaram mais de cinco vezes em 20 anos no Estado

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba