Seculo

 

Fator negativo


16/04/2018 às 15:48
Ainda falta muito tempo para as definições do processo eleitoral, mas, de pronto, já se pode vislumbrar perspectivas sobre quem será o próximo governador do Estado a partir de 2019.
A escolha dos eleitores recairá em Paulo Hartung (MDB), Renato Casagrande (PSB) ou Rose de Freitas (Podemos), já que a tendência é a manutenção do cenário atual, com vantagens para Casagrande, se a situação for analisada com base nos recentes levantamentos e o burburinho nos bastidores políticos.
Se isso ocorrer, como tudo indica, o modelo de gestão passará por mudanças relacionadas à forma, sem, no entanto, mexer na base estrutural, levando em conta que tanto o atual governador como seu antecessor leem a mesma cartilha que os atrela a corporações empresariais que direcionam  as ações da máquina pública. 
No caso de Casagrande, o processo eleitoral deste ano apresenta outro fator cuja influência em um eventual governo dele será muito grande, a ponto de comprometer programas e projetos pretendidos. Trata-se do prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), cuja gestão se mostra bem abaixo do esperado.
As fortes chuvas que inundaram Vitória nesta segunda-feira (I16) é uma clara demonstração de ineficiência administrativa. Por mais forte que tenha sido o aguaceiro, o estrago provocado seria muitas vezes reduzido, caso a cidade contasse com um sistema de macrodrenagem funcionando de forma plena, juntamente com outras medidas preventivas. 
Ocorre que a manutenção das galerias pluviais é feita superficialmente, o que faz com que a maioria se encontre assoreada, sem condições de suportar volume de água acima do normal. Some-se a essa irregularidade, a falta de limpeza permanente nas chamadas bocas de lobo e a redução de equipes do serviço de limpeza pública. 
Vitória possui mais de 40 mil metros de galerias situadas nas avenidas Reta da Penha, Paulino Muller, Maruípe, César Hilal e Jair Etienne Dessaune, entre outras. Com o adequado funcionamento desses equipamentos, os alagamentos seriam evitados ou reduzidos, mesmo em ocasiões de chuvas acima do normal, como nesta segunda-feira.
A atual administração de Vitória tem a marca do improviso, sem obedecer a um planejamento sistemático e necessário, a fim de manter o equilíbrio que garanta a continuidade das ações. Por aqui, o que se vê são experimentos, que ocorrem desde o primeiro mandato de Luciano.
Os principais projetos anunciado não geraram frutos. Assim foi a questão da iluminação pública, a licitação da limpeza urbana, o famigerado Integra Vitória, só para citar alguns projetos de “laboratório” que não vingaram.
Como justificativa, Luciano Rezende aponta a crise econômica e o fim do Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias (Fundap) e optou por fazer cortes. No entanto, a redução de despesas sempre ocorre de forma seletiva.
Em algumas áreas, como das galerias pluviais e educação, por exemplo, há suspensão de contratos e o consequente sucateamento. Em outras, de atuação política, como Comunicação, a crise passa ao largo.  
Por tudo isso, a atual administração da capital é um exemplo ímpar de fator extremamente negativo de gestão pública.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Homicídios de jovens negros aumentaram mais de cinco vezes em 20 anos no Estado

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba