Seculo

 

Festival do Caranguejo de Campo Grande retoma sua força em 2018


18/04/2018 às 12:37

O 18º Festival do Caranguejo dos Povos Tradicionais dos Manguezais em Campo Grande-São Mateus/ES, no litoral norte do Espírito Santo, acontece este ano com expectativas mais promissoras, depois de dois anos de muitas dificuldades, em função do crime da Samarco/Vale-BHP.

A lama de rejeitos não foi embora, os manguezais continuam mortos e os caranguejos extintos. Mas um apoio ainda maior da comunidade este ano, a entrada de mais organizações da sociedade civil e órgãos públicos, e a certeza, por parte do público, da qualidade do crustáceo, trazido de Canavieiras, no sul da Bahia, prometem fazer retomar a grandiosidade do evento, característica de antes do crime.

O festival é parte fundamental da identidade cultural e do orgulho dos moradores locais em se reconhecerem como catadores de caranguejo ou caranguejeiros. “Foi depois do Festival que as pessoas passaram a se apresentar como catador de caranguejo, em qualquer lugar. Antes elas tinham vergonha”, conta Kelly de Senna, secretária da Associação de Pescadores, Catadores de Caranguejo, Aquicultores, Moradores e Assemelhados de Campo Grande/São Mateus/ES (Apescama), entidade que hoje reúne cerca de 600 pessoas de nove comunidades tradicionais da região e organiza, tradicionalmente, o evento.

Este ano, pela terceira vez consecutiva – e durante muito tempo ainda pela frente – os caranguejos consumidos na festa, 300 dúzias, são originários do sul da Bahia, em Canavieiras. “Vamos mostrar as notas fiscais, pra comprovar. Muita gente tinha medo de ser caranguejo contaminado”, informa Kelly, referindo-se ao baixo público e baixo consumo nos últimos dois anos.

Pela terceira vez também, a Fundação Renova – criada pelas mineradoras para executar os programas de compensação e reparação dos danos sociais e ambientais decorrentes do crime – se nega a apoiar a festividade, sempre com “justificativas incoerentes”, avalia a catadora de caranguejo: em 2017, as comunidades não integravam o mapa dos atingidos pelo crime reconhecido pela Fundação; este ano,  o edital para apoio a eventos só será publicado no segundo semestre. “Eles sempre dão um jeito de não apoiar a gente”, reclama.

Apoio, porém, é o que não falta em 2018. Movimento dos Pescadores e Pescadoras (MPP), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Prefeitura Municipal de São Mateus, Fórum Norte da Foz do Rio Doce, Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural (Incaper), além de diversos comércios locais e de moradores, estes, contribuindo com R$ 50, 100, para a compra dos caranguejos.

Informação e empoderamento

“Agora que as famílias estão recebendo o auxílio emergencial, podem fazer essas doações”, explica. O reconhecimento como atingidos para as comunidades dos manguezais de São Mateus aconteceu muito tardiamente, após dois anos do crime, período de muito sofrimento e revolta, com centenas de famílias sem nenhuma renda e sem perspectivas, sendo desmanteladas, evadindo-se de suas comunidades, e com o principal elemento de sua identidade cultural morto e enterrado sob a lama da impunidade.

“A gente tinha um dos maiores manguezais de São Mateus. E hoje não poder contar com o pescado, é uma tristeza muito grande. Deixou a comunidade de mãos abanando. Você olhar o que tinha antes e olhar hoje, é muito triste”, lamenta a secretária da Apescama.

Este ano, a programação começa no dia 20 de abril, sexta-feira, às 8h, com um café da manhã e palestras de representantes das diversas organizações e entidades públicas que apoiam o evento, referentes aos direitos dos atingidos pelo crime da Samarco/Vale-BHP e ao reconhecimento das comunidades como Povo Tradicional dos Manguezais. “É uma forma de levar conhecimento para comunidade, as pessoas tirarem dúvidas, e a gente tirar demandas, buscando formas de melhorar nossa situação”, diz Kelly.

A partir do fim da tarde de sexta, até o domingo às 17h, serão várias atividades culturais, shows musicais, e muito caranguejo para deleite dos apreciadores do crustáceo.

Serviço:
18º Festival do Caranguejo dos Povos Tradicionais dos Manguezais em Campo Grande-São Mateus/ES

Data: 20 a 22 de abril de 2018

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória

O livro