Seculo

 

Projeto A Vale, a Vaca e a Pena alerta o eleitor sobre 'voto limpo x voto sujo'


04/05/2018 às 18:57
“O governo que eu quero: voto sujo x voto limpo”. Esse é o tema do 22º desenho a ser feito pelo pintor Kleber Galvêas na trajetória do projeto A Vale, a Vaca e a Pena – provocação artística em que o artista-ativista denuncia os desmandos políticos que perpetuam uma das maiores mazelas ambientais da Grande Vitória, que é a poluição do ar provocada, majoritariamente, pelas empresas Vale e ArcelorMittal, instaladas na Ponta de Tubarão, nos limites entre os municípios de Vitória e Serra.

Tradicionalmente, como é feito há 22 anos, o desenho anual do projeto é feito no dia seis de maio, data em que a mineradora, então Companhia Vale do Rio Doce, foi privatizada, em 1997, quando as ações do governo federal foram vendidas por reles R$ 3,7 bilhões, valor equivalente ao lucro que a mineradora tem alcançado, anualmente, a partir do ano 2000.

Este ano, a ação aconteceu nesse domingo, no atelier de Kleber, na Barra do Jucu, balneário ao sul de Vila Velha, a mais de 30 km da Ponta de Tubarão.

Apesar da aparente distância, a comunidade não está a salvo do famigerado pó preto, usado como “tinta” para o desenho, feito sobre uma tela virgem, com o dedo indicador como pincel. A tela, protegida com cordão de isolamento, permanece durante 50 dias em posição horizontal sobre uma mesa, em varanda coberta voltada para o sudoeste e cercada de árvores.

“Embora seja problema ambiental muito grave, a poluição na Grande Vitória continua  descuidada”, protesta o artista.

No vídeo de divulgação da 22ª edição, Kleber mostra o experimento que demonstrou durante uma audiência sobre o pó preto na Câmara Municipal de Vitória em 1998, e que deixou os representantes da Vale boquiabertos, ao serem “desmaracados” sobre a presença de ferro na poluição do ar da região metropolitana, até então, exaustivamente negada pelos gestores públicos e indústrias.

A orientação do pintor é que, em casa, o cidadão experimente colocar, sobre uma folha de papel comum, um punhado de pó preto coletado em qualquer lugar de sua residência. Em seguida, passe um ímã comum, de geladeira, embaixo da folha de papel, fazendo o pó preto dançar conforme a movimentação do ímã. “Faça essa experiência na sua própria casa!”, sugere.

Todas o acervo do projeto, as 22 telas desenhadas, permanecerão expostas até o dia seis de junho e podem ser vistas todos os dias, de 9h às 18h. A entrada é franca.

Serviço:
Exposição A Vale, a Vaca e a Pena

Período: 6 de maio a 6 de junho
Funcionamento: todos os dias, de 9h às 18h
Local: Ateliê Kleber Galvêas. Rua. Antenor P. Carneiro, 66. Barra do Jucu, Vila Velha, ES.
Mais informações: www.galveas.com  (27) 3244 7115
Entrada gratuita 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória

O livro