Seculo

 

Frutos da guerra


08/05/2018 às 13:14
Decididamente, ano eleitoral é tempo de milagre. Depois de três anos de secura, o governo no Estado anuncia investimentos na área de segurança, destacando os 182 fuzis de grande pode de fogo, coletes à prova de bala, drones e outros equipamentos para a Polícia Militar. 
O Estado se arma para a guerra, visando reduzir os crescentes índices de violência e, desta forma, a criminalidade, e se coloca frente a frente com a bandidagem, agora em pé de igualdade com os modernos armamentos das quadrilhas. Só que, na realidade, não é assim que funciona. 
Apesar das boas intenções, que não podem ser negadas, os investimentos promovidos pelo governo, se comparados com os níveis de desorganização social e as estratégias das quadrilhas de criminosos, são inócuos do ponto de vista operacional, considerando as urgentes necessidades da tropa. 
A Polícia Militar do Espírito Santo possui 14 batalhões e 14 companhias independentes, totalizando 28 unidades. Em tese, cada uma delas terá quatro fuzis, ampliando  sua capacidade de enfrentamento com os bandidos. 
No entanto, o problema da criminalidade e da violência não se resolve, como pode parecer à primeira vista, na ampliação de equipamentos e artefatos de guerra. Existem fatores mais complexos relacionados a quem maneja esses armamentos, ou seja, a tropa.
Altamente desmotivada  por conta do cenário sombrio que se formou depois da greve da categoria, em fevereiro de 2017, até hoje não deglutida pelo governo, a tropa ainda hoje luta para reduzir as punições decorrentes da paralisação. 
A postura adotada pelo governo, entre elas a alteração da lei das promoções, gera elevado nível de tensão entre os policiais, com resultados negativos no desempenho de tarefas. Há ainda casos de distúrbios emocionais, inclusive depressão.
A tropa sente falta, também, de mecanismos não letais e da falta de baterias para possibilitar o funcionamento de aparelhos, bem como de gás lacrimogêneo. É como diz um policial: esqueceram de investir na tropa, no ser humano.
Essa afirmativa toca a sociedade como um todo, vítima da ausência de políticas públicas voltadas, de forma efetiva, para a segurança e que não se resume apenas à ampliação de armas e outros equipamentos, mas a programas sociais de forma a alcançar jovens nas periferias e, também, que coloquem fim à impunidade histórica de bandidos de maior nível socioeconômico.
Um Estado ineficiente e sem programas de políticas públicas de segurança, saúde e educação contribui para aumentar a sensação de injustiça e impunidade, o que constitui um das principais causas da violência.  
Como o poder político se distribui de maneira desigual e na maioria das vezes acompanha o direcionamento do poder econômico, as instituições do Estado são imensamente desfavoráveis aos pobres, as maiores vítimas da crescente onda de violência.
Mais do que armas, o Estado necessita dar maior ênfase em programas sociais, pois sem investir nessa área, não há como reduzir a violência. Com essa postura, de forma isolada, se estará prestando grande contribuição para tornar o cenário ainda mais sombrio, sem a necessária justiça social. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso