Seculo

 

Técnicos em radiologia reivindicam pagamento de salário integral


08/05/2018 às 17:25
Representantes dos profissionais técnicos em radiologia que atuam em setores públicos do Estado reivindicaram, em reunião da Comissão de Saúde da Assembleia nesta terça-feira (8), o reconhecimento da carga horária especial prevista em lei, de 24 horas semanais. A legislação estadual, que institui o plano de carreira da profissão, reconhece a carga horária como reduzida, impactando o salário desses servidores.  
 
A Lei Federal 7.394/1985 regulamenta a profissão e determina que a jornada de trabalho desse profissional é de 24 horas semanais. Em âmbito estadual, a profissão é regida pela Lei Complementar 639/2012, que trouxe a modalidade de subsídio para os servidores do Estado que trabalham na área. A tabela de progressão, porém, estabelece os valores salariais com base em uma jornada de 40 horas semanais. Como os servidores fazem a carga horária especial, há um desconto proporcional em suas remunerações. 
 
“O certo seria entender como carga horária especial. Esse entendimento reflete no salário do profissional, pois o governo desconta proporcionalmente e há impactos também no adicional noturno, na insalubridade e, especialmente, na dignidade do profissional. Nós não conseguimos sobreviver com um salário-base de R$ 1.304,00, com o reajuste desse ano, R$ 1.369,00”, apontou o técnico Eduardo Bazan, que atua há 20 anos na área.
 
Bazan acrescentou que outras carreiras também têm uma situação similar, mas o Estado tem uma interpretação diferente. “No caso de fisioterapia e terapia ocupacional, o Estado reconhece a carga horária especial, e não reduzida. Realmente, eles são carga horária especial e nós também queremos ser reconhecidos da mesma forma”, explicou.
 
Ainda segundo o técnico em radiologia, o Estado reconhece a insalubridade (adicional de 40%) e o direito a férias semestrais, de 20 dias a cada semestre trabalhado. A insalubridade, porém, é paga tendo como referência a remuneração reduzida.
 
O presidente da Comissão de Saúde, deputado Dr. Hércules (PMDB), garantiu que já apresentou uma indicação ao governo sobre o tema, alegando que o colegiado não pode apresentar projeto nesse sentido, porque é inconstitucional. "Nós vamos mandar um ofício sobre essa reunião e seguir debatendo esse assunto com o governo”, afirmou o parlamentar. O colegiado se comprometeu a também agendar uma reunião com os representantes na Casa Civil.
 
O Espírito Santo possui cerca de 100 profissionais da área atuando no serviço público estadual. Já o Conselho Regional de Técnica em Radiologia reúne mais de três mil técnicos. 
 
(Com informações da Web Ales)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória

O livro