Seculo

 

Prazo se esgota e Paulo Hartung não negocia com servidores do Incaper


09/05/2018 às 13:18
O governo Paulo Hartung não cumpriu o prazo de 10 dias para abrir a mesa de negociação sobre a pauta de reivindicações protocolada pelos servidores do Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural (Incaper) no último dia 19 de abril, por meio do Sindicato dos Servidores e Trabalhadores Públicos do Espírito Santo (Sindipúblicos).

O segundo prazo, de 30 dias corridos para a apresentação de uma proposta formal de atendimento da pauta, segundo a Lei Estadual de Greve, vence no próximo dia 19. Recebendo ou não a proposta, a categoria realiza uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) no próximo dia 24, para definir os novos rumos do movimento reivindicatório.

A pauta foi protocolada uma segunda vez, desde o dia 19 de abril, em nome da presidente do Incaper, Nara Sthefania Tedesco Rocha, e continua sem resposta. As principais reivindicações da categoria são: reajuste salarial compatível com as perdas da categoria; reestruturação do plano de cargo e salários para todos os servidores; concurso público para recomposição do quadro; reativação do Programa de Pós-graduação; equipamentos de Proteção Individual para todos os trabalhadores; plano de Saúde; criação do cosat e regulamentação da insalubridade; revisão da Lei Estadual de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural); não à terceirização dos serviços do Incaper.

Muitos desses pontos, destaca Samir Seródio, presidente da Associação dos Servidores do Incaper (Assin), já vinham sendo tratados diretamente com a direção do Instituto anteriormente ao registro da pauta no Estado.

E pelo menos um ponto tramita simultaneamente na Justiça e internamente, com a diretoria do Instituto. “Nos preocupa muito a manutenção da sede da Associação”, diz Samir. O Estado, conta, judicializou sua intenção de retirar a sede da Assin do local atual, no prédio central do Incaper, em Bento Ferreira, Vitória, onde funciona por meio de contrato de comodato.

Os servidores entraram com recurso de defesa e aguardam desfecho judicial. O contrato, no entanto, vence no próximo dia 10 de junho e a Associação espera que o Estado acate a documentação providenciada, comprovando o caráter de utilidade social da Assin, legitimando a renovação do contrato.

O Sindipúblicos ressalta ainda que os servidores são contrários à absorção, no Incaper, de servidores de outras autarquias, “considerando que tal política fragiliza a estrutura funcional, haja vista que os serviços devem ser desempenhados por profissionais com qualificação específica. A categoria ainda defende que os cargos de direção sejam ocupados por servidores de carreira do Incaper”, informa a entidade sindical em seu site.

A Assembleia do dia 24 será realizada pelo Sindipúblicos e Assin, em local ainda a ser definido. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade