Seculo

 

Câmara Técnica do Consema quer analisar condicionantes da Jurong e Imetame


09/05/2018 às 18:20
As condicionantes dos licenciamentos ambientais dos empreendimentos Estaleiro Jurong Aracruz (EJA) e Imetame, em Aracruz, no norte do Estado, estão sendo cumpridas em sua totalidade?

A questão deve ser analisada pela Câmara Técnica de Licenciamento de Grandes Projetos, Acompanhamento de Condicionantes de Licenças Ambientais, Fiscalização e Compensação Ambiental do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) a partir da próxima reunião do colegiado, agendada para o dia 29 de maio.

O pedido de informações detalhadas sobre o cumprimento das condicionantes foi feito pela Associação Nacional dos Amigos do Meio Ambiente (Anama), membro da Câmara Técnica, ao presidente do colegiado, secretário estadual Aladim Cerqueira. O objetivo é investigar o caso e apresentar um relatório técnico no Plenário do Consema.

No requerimento, a entidade solicita a lista das condicionantes decorrentes da concessão de Licenças Prévias dos empreendimentos Jurong e Imetame, quais foram cumpridas, e, no caso de não cumprimento, as razões técnicas e legais para tal e se as mesmas foram incluídas nas licenças de implantação dos empreendimentos, e qual o estágio de atendimento.
 
O documento pergunta ainda sobre possíveis “acordos/compensações firmados entre o órgão normativo de controle ambiental e qualquer uma das referidas empresas”.

O cumprimento das condicionantes da Jurong já foram alvo de denúncias feitas por trabalhadores terceirizados no Estaleiro, no Plenário da Câmara de Aracruz, em dezembro de 2017.

À época, o presidente da Câmara, vereador Alcântaro Filho (Rede), chegou a aprovar, por unanimidade, um requerimento de criação de uma comissão especial para investigar a situação. O pedido surgiu após um longo período com muitas reclamações da população de Aracruz e de reuniões entre a Câmara e o Estaleiro, sem que nada tenha sido efetivamente resolvido.

Em meio a esse contexto turbulento, uma denúncia em vídeo, enviada por trabalhadores terceirizados, foi o estopim para uma medida mais enérgica dos vereadores. No vídeo, são mostradas imagens chocantes de banheiros em situação absolutamente sem condições de uso e bebedouros oferecendo água de cor marrom escura.

Numa prova do poder político-econômico e da capacidade de subjugação da empresa contra a sociedade, Alcântaro, na ocasião, relatou temor da população de represálias por parte da empresa e a demissão de trabalhadores.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade