Seculo

 

Os burros ativos


11/05/2018 às 15:19
Há situações em que somos forçados a buscar referências em pessoas-chaves. Alguns anos atrás, convivi com uma pessoa de rara sensibilidade. Ele trabalhava no Banco do Brasil, onde fez carreira dos 18 aos 54 anos. Nunca trabalhou em outro lugar. Seu lazer era ler, praticar esportes e viajar.
 
Não sei onde encontrou forças para aguentar chefes e subordinados numa instituição bancária estatal minada pela bajulação e o carreirismo, mas o fato é que ele soube se divertir enquanto teve saúde para pilotar seus brinquedos -- barco, moto, teclado e teco-teco.
 
Pois bem, sua lição inesquecível: ele criticava os “burros ativos”, expressão por ele inventada para definir o comportamento dos ignorantes colocados em situação de mando e dos medíocres que puxam as coisas para baixo por medo, inveja, raiva ou ignorância.  
 
Lembro-me dele agora, quando vejo o vice-presidente em exercício fazendo malabarismos com as mãos e com as palavras no esforço tatibitati de explicar alguma coisa referente a suas atividades de governo.
 
Ele, seus ministros e altos funcionários da administração vêm se esmerando no esforço para convencer os brasileiros de que a economia saiu da estagnação em que andou mergulhada desde 2015.
 
Esquecem todos eles -- os burros ativos -- que o país jamais sairá da paradeira socioeconômica enquanto o governo trabalhar para tirar direitos dos trabalhadores, reduzir salários e proteger prioritariamente os agentes do mercado, os rentistas, os banqueiros, os empresários. Isso, além de antidemocrático, é burrice.    
 
LEMBRETE DE OCASIÃO
Tudo na vida está sujeito à mutação. À prosperidade segue-se a decadência”. I Ching

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace