Seculo

 

Rescaldo do terror


11/05/2018 às 17:16
A divulgação pelos principais meios de comunicação dos assassinatos praticados pelos ditadores Ernesto Geisel e João Figueiredo nas décadas de 70 e 80 repercute nos círculos políticos, com enorme potencial de provocar alterações no cenário eleitoral desse ano.
A cofirmação das atrocidades praticadas em uma das fases mais trágicas da recente história do País reacende questionamentos sobre os resultados práticos da Comissão da Verdade, que apesar de trazer o debate à tona, não alcançou de forma plena os objetivos, tolhida pela ameaça ainda real dos quartéis. 
A história escabrosa relatada por um agente categorizado da Cia também joga um feixe de luz sobre pré-candidaturas em todos os seus níveis, com destaque para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e seus aliados regionais.
A partir da constatação dos horrores da ditadura, torna-se imprescindível uma reflexão sobre essa ferida aberta e, em vários casos, ainda não cicatrizada.
As declarações do presidenciável e a defesa do período ditatorial entre seus seguidores já, desde agora, ganham espaços nas redes sociais e outros meios e, também, junto à classe política. 
No Espírito Santo, o senador Magno Malta (PR), cotado para vice na chapa de Jair Bolsonaro, e o deputado federal Carlos Manato (PSL), indiretamente, poderão sentir o impacto, que deverá atingir a campanha presidencial com desdobramentos regionais.  
O clima de militarização que invade o País, com destaque para o meio chamado de evangélico, é assustador, a partir da constatação de que a pena de morte, o armamento da população e manifestações de retorno da ditadura são temas que entram no cotidiano das pessoas.
Estimulada por um noticiário tendencioso e pela introdução de políticas públicas baseadas, exclusivamente, em conceitos de guerra aberta, como a intervenção militar no Rio de Janeiro, apesar dos resultados inexpressivos, a população ainda não se deu conta da extensão da tragédia que o Brasil viveu a partir de 1964. 
A revelação dos assassinatos ordenados pelos ditadores chega em um momento em que o País necessita, mais do que nunca, conhecer a sua  história, a fim de identificar os heróis e bandidos, para que esses fatos não venham a ocorrer nunca mais.   

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso