Seculo

 

Maré alta


12/05/2018 às 18:12
Se há uma convicção no meio político, e não teria como ser diferente, é de que a eleição ao governo do Estado irá para o segundo turno, já tendo até formatação. De um lado Paulo Hartung, pilotando uma máquina administrativa voltada para a sua reeleição e com a estratégia habitual de jogar desalinhados no fogo e, do outro, o ex-governador Renato Casagrande (PSB) e a senadora Rose de Freitas (Podemos), trocando figurinhas o tempo todo, no sentido de preservar e unir votos.
 
Dos políticos que giram em torno de PH, destaca-se o presidente da Assembleia Legislativa, Erick Musso (PRB), que apesar da precariedade eleitoral, faz parte do grupo que criou o PRB para garantir campo para o governador, agrupando figuras como o deputado estadual Amaro Neto. Mas ele, diferente do Erick, mostrou musculatura na disputa à prefeitura de Vitória contra Luciano Rezende (PPS), quando perdeu por pouco.
 
O Amaro sorri muito, principalmente para PH, mas ninguém passa o guizo nele. É um cara que veio à tona na cena política capixaba de repente e por conta própria. Não é de servir de degrau para ninguém. É pretensioso e sabe lidar com o eleitorado de baixa renda. Quer dizer, é um produto caro e raro. 
 
Saber quem será o adversário central de PH ainda é prematuro, assim como qualquer previsão sobre o resultado final do pleito. Casagrande leva vantagem sobre Rose nesta disputa com PH, pelo fato de ter a certidão política de seu principal adversário. As pesquisas realizadas no Estado mostram esse quadro com muita clareza, mas isso não assegura a sua escolha.
 
Já Rose é uma figura enigmática na política regional. É personagem de voo próprio. Não chegou ao Senado por engano. Lida bem, aliás, muito bem, com o eleitorado. Há tempos que PH quer se livrar dela e, apesar de sua experiência neste ramo, ainda não conseguiu.
 
Quando se chega ao espectro partidário, PH está em desvantagem. Ele conta com o MDB esfacelado, sobretudo pela saída da Rose, e, na mesma situação está o PSDB. Se dependesse dos dois partidos, não iria nem para o segundo turno, mas não é este o caso. O governador depende da máquina administrativa, que já está funcionando em ser favor, a todo vapor.
 
Para melhorar, PH precisaria do DEM, mas como já falei em colunas anteriores, este está nas mãos de adversários, Teodorico Ferraço e Norma Ayub.  
 
O desenho eleitoral mostra que PH vai ter de enfrentar Rose aliada a Casagrande ou vice versa. O ex-governador contando, ainda, com um trunfo na eleição majoritária, o deputado estadual Sergio Majeski, ostentando a medalha de anti-PH. 
 
As movimentações eleitorais deixam claro que o governador está passando por um sufoco nunca antes experimentado na política capixaba. Terá de buscar saídas, pela primeira vez, como qualquer outro político.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade