Seculo

 

Jogo de cena


15/05/2018 às 20:03
Nessa segunda-feira (14), teve seguimento mais um capítulo no jogo de cena travado entre o Executivo e o Legislativo no assunto reajuste de salários para a cúpula do governo, que se soma à novela do aumento do funcionalismo estadual. Num já conhecido entrosamento entre a gestão estadual e a subserviência da Assembleia Legislativa, o veto parcial de Paulo Hartung à emenda que aumenta em 18% seu próprio salário, do vice e do secretariado foi derrubado pelos deputados, tirando do colo do governador uma medida impopular. 
 
No final das contas, tudo foi justificado pela necessidade de ampliar o abate-teto e desafogar plano de carreiras de categorias como auditores fiscais e oficiais da PM.  Mas, tratando-se da Assembleia do Estado, nada mais é do que um jogo combinado.
 
O embrolho teve início no dia dois de abril, com o anúncio de parcos 5% para o funcionalismo estadual, que amarga quatro anos sem qualquer reajuste salarial. Dias seguintes, o mesmo percentual passaria a ser estendido para a cúpula do Executivo; bastaria, no entanto, o aval da Assembleia. Na hora da votação do projeto, quatro de abril, no entanto, os deputados tiraram da cartola uma emenda substitutiva, que dava mais 13% na virada para 2019. Manobra escancarada!
 
O conteúdo da emenda substitutiva para o PL 085/2018, assinada pela Mesa Diretora e relatada por Janete de Sá (PMN) com apenas dois votos contrários - Sergio Majeski e Bruno Lamas (PSB) - só ficou claro com a divulgação posterior. O documento elencou os novos salários de R$ 23 mil (governador), R$ 20,8 mil (vice-governador) e R$ 18,3 mil (secretariado). A autoria também ficou obscura. Durante a sessão, Janete chegou a dizer que a emenda tinha sido feita “a várias mãos”.
 
O anúncio, que pegou de surpresa o funcionalismo, gerou muita revolta. Servidores da saúde, com apoio de outras categorias, foram às ruas num grande protesto que tomou o Centro de Vitória.  E o caldo só foi aumentando. Defensores públicos e servidores do Tribunal de Justiça, que nem os 5% de reajuste tiveram, articularam também seus movimentos. No caso da Defensoria, houve entrega coletiva dos cargos comissionados e uma agenda de manifestações com apoio dos movimentos sociais. 
 
Sancionar a lei significaria ainda mais prejuízo para a imagem do governador em ano eleitoral. A solução? Jogar a bola de volta pra Assembleia, que já tinha seu discurso bem decorado a favor do governo para derrubada do veto: beneficiar categorias cujas carreiras estão imprensadas pelo abate-teto. 
 
Na discussão desta segunda-feira, poucos deputados, como Da Vitória (PDT) e Majeski, questionaram a atitude de Hartung, que poderia ter sacionado a lei sem veto para a emenda, se, de fato, o interesse do Executivo fosse regularizar planos de cargos e salários dos servidores mais bem remunerados. Também refletiram sobre a ação dos próprios colegas.  Afinal, derrubadas de vetos importantes, que impactam positivamente em áreas sociais, não costumam ser levadas em consideração pela maioria da Casa. Pelo contrário, prevalece a máxima do "bater continência" aos interesses do governador.
 
Com raras exceções, coerência não é uma qualidade que se aplica à Assembleia. Valem mais acordos firmados no tapetão e com perdas significativas para a população capixaba ou para os servidores. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Geraldo Hasse
Caetano dá força a Ciro Gomes
O artista baiano se declara admirador do político cearense candidato a presidente
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio