Seculo

 

Policiais militares repudiam projeto que cria escala extra de trabalho de 12 horas


15/05/2018 às 12:33
A Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado do Espírito Santo (ACS-ES) publicou nesta terça-feira (15), uma nota de esclarecimento repudiando a aprovação, pela Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa, de uma proposta que prevê a criação de mais 12 horas de escala extra de trabalho para os policiais militares, que seguirá para apreciação do governador Paulo Hartung.

Apresentada em reunião ordinária da Comissão realizada nessa segunda-feira (14), como uma demanda dos policiais, a proposta, na verdade, contraria inteiramente a pauta de reivindicações estabelecida na última assembleia da categoria, realizada no último dia três de fevereiro.

“A entidade reforça que o seu compromisso é com a valorização salarial e profissional dos praças, bem como a recomposição de suas perdas salariais”, esclareceu, em nota, a Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado do Espírito Santo (ACS-ES).

Durante a votação, o presidente da Comissão de Segurança, deputado Gilsinho Lopes (PR), disse que “os comandantes da PM e dos Bombeiros e o secretário de Segurança [coronel Nylton Rodrigues] também estão de acordo com esse requerimento para otimizar mais recurso para a parte ostensiva e preventiva, como a investigação”.

O presidente da ACS-ES, sargento Renato Martins Conceição, no entanto, afirma que a aprovação da proposta revoltou a categoria. “Ao invés de ter aumento salarial, querem aumentar mais ainda o nosso trabalho, reduzindo o horário de folga e trazendo muitas consequências para a saúde do policial”, alertou.

A ACS-ES e outras associações legitimamente representantes das demandas dos praças deixam claro que não demandaram a proposta votada na Assembleia e pretendem reverter o processo de apreciação pelo Executivo. “Há policiais dizendo que se esse projeto for aprovado, não vão mais fazer nenhuma hora extra. Preferem ter mais contato com a família e mais tempo de lazer, para cuidar da saúde”, aponta o sargento Renato.

A manobra, complementa, é mais uma demonstração clara de que o efetivo capixaba é deficitário. “O déficit é de 1700 policiais”, reafirma.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória

O livro