Seculo

 

Partidos políticos correm para fechar alianças até junho


15/05/2018 às 18:03
A pouco mais de um mês para o fechamento das alianças que resultarão na montagem de chapas para as eleições de outubro, os partidos políticos se esforçam para apresentar número significativo de candidatos a deputados estadual e federal, como estratégia para garantir bancadas maiores na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados.   
As articulações começaram a se afunilar, com inviabilidade de pré-candidaturas em nível nacional, cuja repercussão nos estados altera o cenário político e cria situações complexas para algumas siglas, se for considerado o acordo do diretório nacional.
Esse é o caso, por exemplo, do PDT no Espírito Santo, liderado pelo deputado federal Sérgio Vidigal, aliado ao governador Paulo Hartung. O partido pode formalizar acordo com o PT, indicando o vice na chapa de Ciro Gomes.
Nesse cenário, como ficaria o deputado federal Sérgio Vidigal, que inclusive é cotado como vice na chapa de Hartung? A aproximação entre PT e o PDT também ocorre no Espírito Santo nas proporcionais, como em outros estados, mesmo diante da aparente rejeição do deputado.
Apesar de o PT estar preparando o lançamento nacional da candidatura do ex-presidente Lula à Presidência da República, dirigentes das duas siglas estão conversando e inclusive dois nomes estão cotados para compor com Ciro Gomes, o ex-governador da Bahia, Jacques Wagner, e o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.
Caso essa coligação aconteça, a candidatura do ex-governador Renato Casagrande (PSB) será fortalecida, considerando que seu partido não tem candidato a presidente e também conversa para se unir a Ciro Gomes.
Do lado do governado Paulo Hartung, sua candidatura ganha reforço com a derrocada das candidaturas a presidente da República do empresário Flávio Rocha (PRB) e do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 
As duas siglas devem caminhar para apoiar o ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), partido em que o governador exerce grande influência.
No PRB, Hartung possui controle total, tendo colocado na presidência o deputado Erick Musso, presidente da Assembleia Legislativa, que pode ser vice em sua chapa para concorrer à reeleição. Também integram o bloco o deputado estadual Amaro Neto, candidato ao Senado, e o ex-prefeito e ex-secretário de Estado de Segurança, Rodney Miranda, candidato à Câmara, além do secretário-chefe da Casa Civil, Roberto Carneiro, articulador político do Palácio Anchieta.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória

O livro