Seculo

 

Não dá pra quem quer


17/05/2018 às 14:57
Em pleno período de negociação das alianças partidárias para as eleições deste ano, o PSB tenta encontrar as melhores composições para as chapas proporcionais e majoritárias. No Estado, não é novidade, o partido já encontra no PPS, do prefeito de Vitória Luciano Rezende, o principal apoio, faltando agregar outras siglas. No campo do palanque do ex-governador Renato Casagrande, os casamentos devem seguir sem esbarrar em tantos problemas. O mesmo, porém, não se pode dizer das proporcionais, em que, dependendo da união, muitas cabeças podem rolam. Na Câmara dos Deputados, o que se sabe, é que já tem movimento contrário à formalização de alianças. Um dos socialistas ameaçados, caso o partido não saia sozinho, seria o deputado federal Paulo Foletto, candidato à reeleição. Nos bastidores, há temor dele ficar pelo caminho. Já o PPS tem duas “bombas eleitorais”, o deputado estadual Da Vitória e o ex-prefeito Luiz Paulo Vellozo Lucas. Vindo lá atrás, estreando no cenário, a ex-secretária e braço direito de Luciano, Lenise Loureiro. Na soma dos nomes e das “pernas”, só com os dois partidos, já embolaria o meio de campo. Pelo visto, não vai dar pra quem quer.
Rebatismo
Por falar em PPS, o diretório nacional e a bancada do Congresso realizam reunião no próximo dia 22, em Brasília. Irão analisar os cenários nos estados e....mudança de nome do partido - virou moda, mesmo!
Vice dos sonhos
Enquanto o senador Magno Malta (PR) nega até debaixo d’água, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) não se cansa de espalhar aos veículos nacionais que ele é seu “vice dos sonhos”. Assunto virou notícia novamente nessa quarta, após declarações de Bolsonaro durante o evento Agrobrasília 2018, sua primeira atividade pré-campanha após a pesquisa CNT-MDA, que o coloca na liderança na disputa sem a presença de Lula.
‘Excepcional’
Em uma dessas entrevistas, ao jornal Valor Econômico, o presidenciável do PSL disse que, se dependesse dele, Magno seria anunciado como vice hoje. O problema está na composição partidária. “Se o PR quiser compor comigo e ceder o Magno Malta, seria excepcional”, empolgou-se. 
Virou festa
O defensor público estadual Leonardo Oggioni foi empossado secretário de Estado de Direitos Humanos em cerimônia pra lá de concorrida realizada no Palácio Anchieta, com toda pompa e circunstância. Precisava disso tudo, mesmo?
Discrição
No início deste mês, mesmo cargo foi entregue à professora pós-doutora Gilsilene Passon Picoretti Francischetto. Anúncio discreto, somente ela e o governador, após uma “reunião de celebração”. Quanta diferença...
Segue...
A propósito, a não ser os comentários de bastidores, nem o governador nem ninguém comentou sobre a mudança de comando, tão relâmpago, assim.
Cofre cheio?
O prefeito de Vila Velha, Max Filho (PSDB) se reuniu com lideranças religiosas em Novo México para um café da manhã de prestação de contas. Assunto principal: os R$ 167 milhões de royalties retidos pelo governo do Estado, que, tudo indica, voltarão aos cofres do município, após decisão judicial. Hartung, tudo indica, perdeu essa.
Duvideodó
Haroldo Rocha, secretário de Estado de Educação, e Ênio Bergoli, diretor do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), irão à Assembleia prestar explicações sobre ações à frente da pasta. Ponto um: escolas com péssimas estruturas, fechamentos de turmas. Ponto dois: atuais condições das estradas estaduais. Alguém acha que eles serão “apertados”, como exigem os temas? 
Teste
Fale agora ou cale-se para sempre! O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) lançou uma pesquisa para ouvir a sociedade sobre a atuação do Ministério Público nos próximos dez anos. O questionário estará disponível até o próximo dia 8 de junho. E o MPES, tem jeito?
PENSAMENTO:
"A democracia não é o oposto da ditadura: é a causa dela". Georges Bernanos

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória

O livro