Seculo

 

Futuro interrompido


18/05/2018 às 17:34
Não poderia ser mais triste e trágico. A denúncia de mortes de recém-nascidos no Hospital Infantil de Vila Velha (Heimaba), que chegam a quase 30 num período aproximado de três meses, entre outubro e dezembro do ano passado, revela a face mais obscura e cruel da atual administração estadual. Levantando a bandeira do austericismo e vendendo a terceirização como um modelo ideal de gestão dos hospitais públicos, números ou fórmulas para render publicidade estatal ficam sempre à frente das vidas. Nesse caso, inocentes que estão tendo suprimido o direito à existência. 
 
Nos bastidores da reportagem publicada por Século Diário, um cenário de horror envolvendo descaso, irresponsabilidade e, como apontam os relatos, crimes contra a infância, que é resguardada por uma série de legislações nacionais e internacionais. 
 
O Estatuto da Criança e do Adolescente é enfático em afirmar que o direto da criança começa ainda no útero materno. Nesse sentido, o ECA enfatiza que o cuidado deve acontecer desde a concepção, quando aborda a importância do pré-natal, que deve ser assegurado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Atendimento que deve incluir ainda uma ampla proteção destinada ao nascituro (aquele que ainda vai nascer) e ao recém-nascido (até os 28 dias de vida). 
 
O mais incrível é quando direitos estabelecidos em lei são desprezados por quem deveria ser exemplo no cumprimento de tais legislações: o Estado. No caso, gestores públicos que, em suas atitudes, parecem desprezar a vida de pequenos ainda tão vulneráveis e suas famílias. 
 
Quem tem o papel de fiscalizar também parece faz vista grossa. Afinal, onde estão os promotores, delegados, políticos e outros agentes públicos cujo papel também é a defesa da infância? Nem a morte em alta escala é capaz de fazer movimentar tais atores a tomar alguma providência? As mortes são inadmissíveis!
 
Se a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) cometeu um equívoco ao contratar a Organização Social Instituto de Gestão e Humanização (IGH), uma empresa de natureza privada, teoricamente sem fins lucrativos, para administrar o Infantil de Vila Velha, não foi por falta de aviso. Os gestores públicos da saúde estadual foram alertados sobre processos que a IGH responde em outros estados. A OS administra unidades em diversos municípios e acumula denúncias de quebra de contrato. No estado do Piauí, por exemplo, o Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região (TRT-PI) determinou a suspensão do contrato entre a Secretaria de Saúde do Piauí (Sesapi) e o IGH que tornava a OS responsável pela gestão do Hospital Justino Luz, no município de Picos.
 
Uma comissão parlamentar descobriu diversas irregularidades no contrato e, junto com sindicatos de servidores, ingressaram com a ação questionando a contratação. Em 2016, funcionários do IGH que atuavam no Hospital Roberto Santos, em Salvador, chegaram a paralisar as atividades por falta de pagamento de salários. Neste ano, no Espírito Santo, fornecedores reclamaram do atraso de pagamento de materiais que são vendidos para a OS. 
 
Apesar de todos os relatos que indicam a morte sistemática de bebês por negligência, nenhuma atitude é anunciada pelo atual secretário de Saúde, Ricardo de Oliveira. Muito menos, pelo governador Paulo Hartung.
 
A impressão que fica é duvidosa. Mas deixa uma certeza no ar: o austericismo despreza os pobres, fazendo aumentar a lista dos "matáveis". Dessa vez, recém-nascidos, vítimas de uma política desastrosa do governo estadual.  

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

De demolidor a demolido

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado