Seculo

 

Praça Costa Pereira terá feira gastronômica e cultural


23/05/2018 às 16:07

A Praça Costa Pereira é um marco para a cidade de Vitória. Por muito tempo foi um dos principais pontos de encontro da capital capixaba, mas hoje se tornou principalmente um local de passagem. Daí a intenção que existe há alguns anos de moradores do Centro de reocupar o espaço, gerando novos encontros e também fortalecendo a economia local.

Por isso, a partir de junho, voltará a ser realizada a feira comunitária Sabor&Arte, que depois de anos sem realização, vai acontecer toda terça e quinta-feira na praça, reunindo cerca de 15 expositores nos ramos de gastronomia, artesanato e economia criativa, incluindo artistas e comerciantes do bairro e de outras regiões. A data de estreia ainda vai ser marcada pela organização da feira, mas o projeto prevê que todas as quintas-feiras, o espaço receba programação cultural especial, por meio de parceria com grupos e coletivos artísticos e culturais.

“Além da revitalização e geração de renda, queremos criar um espaço aberto para a cultura, para que os coletivos possam expor seus trabalhos e outras ações de cunho cultural e social. Esperamos que vire uma referência, que a população saiba que pode comparecer às quintas-feiras, que vai ter atividade cultural”, afirma Cristiane Martins, presidente da Associação Cultural Capixaba (Cuca), que promove a feira junto com a Associação de Moradores do Centro de Vitória (Amacentro).

Se feiras anteriores acabaram não tendo continuidade por dificuldades burocráticas relacionadas com alvarás e fiscalização, desta vez, a articulação conta com regularização na Prefeitura de Vitória e apoio de diversas entidades para a programação cultural, que deve incluir participação dos alunos da Faculdade de Música do Estado (Fames), de projetos apoiados pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult), da Bateria da Unidos da Piedade, do Cineclube Resistência Urbana, surgido das ocupações por moradia, e outros projetos que dialogam com a cultura no Centro da cidade, conforme adianta Cristiane. 

Além do calendário semanal, a feira também espera acontecer de forma extraordinária em momentos e eventos em que há grande mobilização no Centro, como o Viradão, que volta acontecer este ano, em setembro. “Queremos que a feira seja abraçada pela comunidade do Centro de Vitória, que passe a fazer parte da rotina do bairro. A praça ainda é um marco político e social da cidade, muitas movimentações ou manifestações passam, param ou ficam na Costa Pereira, mas ela perdeu esse caráter de servir como ponto de encontro de famílias e amigos”, acredita Cristiane, que ressalta que a organização está buscando valorizar e resgatar os antigos parceiros, incorporando também ou poucos feirantes que mantém suas barracas no local até hoje.

A compra das barracas e outras necessidades da feira foram feitas por meio de projeto apoiado pela Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

De demolidor a demolido

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Licitação para gestão dos quiosques em Camburi só tem uma empresa concorrente

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado