Seculo

 

Teatro de Arena em exposição no Sesc Glória


26/05/2018 às 09:04

“No princípio, o teatro era o canto ditirâmbico: o povo livre cantando ao ar livre. O carnaval. A festa. Depois, as classes dominantes se apropriaram do teatro e construíram muros divisórios”, diz Augusto Boal no livro Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Um dos mais brilhantes teatrólogos do Brasil e do mundo, ele foi também integrante fundamental do Companhia Teatro de Arena, que marcou época nos anos 50 e 70 no País.

Um pouco dessa história pode ser encontrada na exposição Arena conta… Teatro e Resistência no Brasil no Brasil (1965-1970), que está no Sesc Glória, no Centro de Vitória, fruto de parceria do Sesc Nacional com o Instituto Augusto Boal. “Politicamente, o Teatro de Arena surge como uma alternativa à produção teatral no Brasil, tanto pelas temáticas de cunho político e social quanto pela pesquisa de linguagem em prol de uma relação mais próxima à realidade do povo”, explica o dramaturgo Wilson Coêlho.

A efervescência criativa do teatro nacional no pós-guerra, a criação do grupo nesse contexto, a escolha do local que serviria de sede, o formato em arena com o palco no centro, fugindo dos padrões tradicionais, vão ser contados na exposição, por meio de fotos, textos, recortes de jornais, documentos históricos, áudios das canções que compunham as peças e vídeos. Grandes dramaturgos como Augusto Boal, Gianfrancesco Guarnieri e Vianinha, atores e atrizes como Eva Wilma, Lima Duarte, Zezé Motta, Milton Gonçalves, Dina Sfat, compositores como Gilberto Gil, Caetano Veloso e Edu Lobo, são alguns dos que fazem parte da história dessa verdadeira seleção brasileira de artistas.

“Devemos ao Teatro de Arena a valorização do autor nacional e a busca por uma estética desenvolvida a partir de nossa cultura e não como vinha sendo até então, dominada pelos modelos europeus”, caracteriza Wilson. “Obviamente, eles têm um flerte muito importante com o teatro épico de Brecht, mas não de uma forma colonizadora. Por ser um processo dialético, a própria estética brechtiana serve de tese para que o grupo crie a sua antítese em busca de novas sínteses para o momento político. Também em termos de inovações de técnicas, temos os métodos do teatro do oprimido desenvolvido por Augusto Boal”, complementa o dramaturgo.

Fundado em 1953 de modo itinerante e estabelecendo um local definitivo em 1955 na capital paulista, o Teatro de Arena se destacou como instrumento cultural de resistência desde o início da ditadura militar, em 1964. “Do ponto de vista político, trata-se de um grupo que serve de exemplo a uma resistência e crítica ao autoritarismo social e governamental do Brasil”, confirma Wilson Coêlho.

Nesse sentido, três peças são destacadas na exposição do Sesc: Arena conta Zumbi (1965), Arena conta Tiradentes (1967) e Arena conta Bolívar (1970), todas dirigidas por Augusto Boal, com a última proibida pela censura, sendo apresentada no exterior. Ao contar a saga de personagens históricos do Brasil e da América Latina que lutaram contra opressões, o grupo buscava que o público espectador encontrassem analogias com os tempos atuais.

A exposição ainda oferece como material de apoio um caderno impresso de 50 páginas com o conteúdo da exposição para os visitantes levarem para a casa.

AGENDA CULTURAL
Exposição Arena conta… Teatro e Resistência no Brasil no Brasil (1965-1970)
Quando: até 16 de junho de 2018
Visitação: Terças a sextas-feiras, das 11 h às 20 horas; Sábados e domingos, das 11 horas às 19 horas, exceto feriados
Onde: Centro Cultural Sesc Glória - Av. Jerônimo Monteiro, 428 - Centro de Vitória
Entrada franca

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

De demolidor a demolido

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Licitação para gestão dos quiosques em Camburi só tem uma empresa concorrente

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado