Seculo

 

Dono de restaurante natural que desmoronou em 2013 enfrenta ação de despejo


29/05/2018 às 18:21
Foto: Roberto Junquilho
Desde que o restaurante natural Sol da Terra foi destruído pelo desmoronamento de parte do morro da rua Barão de Monjardim, Centro de Vitória, em maço de 2013, a vida do médico Marco Ortiz, o proprietário, nunca mais foi a mesma.
Nesta terça-feira (29), ele teve o que resta do imóvel onde reside com quatro filhos invadido por oficiais de justiça, advogados e policiais militares. Estavam ali para despejá-lo, compulsoriamente, por falta de pagamento de aluguel, prazo que foi alterado para o dia 7 de junho, deixando-o mais calmo.
“Tudo o que acontece na vida da gente tem um motivo”, filosofa Marco, sem conseguir esconder os dedos trêmulos cofiando a barba grisalha a descer-lhe pelo peito. Senta-se em uma cama transformada em sofá no pé de uma grande pedra, que serve de sustentação ao cômodo.
Até lá, Marco terá que arrumar outro endereço que possa abrigar não apenas a família, mas os quatro outros ocupantes do espaço: vistosos e inquietos Dálmatas a mover-se nervosamente com a presença de estranhos, que somente se acalmam ao ouvir o comando de Pedro, o mais velho dos filhos.
A advogada de Marco Ortiz, Sandra Ribeiro Venturim, afirma que a ação é ilegal e argumenta que o imóvel foi destruído pelo desmoronamento, fato que extingue o processo, que se arrasta desde 2005 e soma um débito de mais de R$ 300 mil. “Não se despeja pessoas”, diz, exaltada. 
Vitor Said Azevedo, o advogado da outra parte, rebate e afirma que já fez vários acordos e nenhum foi cumprido. Ele representa a dona do imóvel, Romélia Silva Castiglioni, e acompanhou os dois oficiais de Justiça e os policiais que foram para garantir a retirada do ocupante. 
Marco Ortiz, conhecido por ter sido um dos pioneiros em comercializar comida natural em Vitória, e pessoa com largo círculo de amizades, que mantem com seu jeito simples de ser, admite que tem que sair, mas insiste em mais tempo. Ativista cultural e ambiental, também participa de montagens de espetáculos teatrais.   
O que resta da casa está em ruínas: é um amontoado de mobiliário antigo, quebrado, com mato invadindo a escada onde três policiais garantem a ação de despejo, evitada por mais um acordo. 
“Agora é dia 7 de junho, não tem mais apelação”, informa um dos dois oficiais de Justiça, sob o olhar atento de um policial que pede para não ser fotografado e explica: “Estamos aqui só para garantir a ordem, mas vai dar tudo certo”.
Marcos afirma que vai para casa de amigos na Barra do Jucu, em Vila Velha, onde ficará temporariamente, enquanto vai tocando o Sol da Terra aberto no Hortomercado da Praia do Suá, inaugurado depois da destruição da casa original, onde ele reside. Na época, um forte movimento de solidariedade ajudou a reerguer o restaurante, que é referência na área.
Acordo fechado, o grupo da ação de despejo desce as escadas. Marco se levanta, atende o celular, informa que tem novo prazo, abraça os jornalistas – “Muito obrigado por terem vindo”, senta-se no sofá, cruza as pernas e, cofiando a barba, ouve o que a advogada tem a dizer. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

De demolidor a demolido

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Licitação para gestão dos quiosques em Camburi só tem uma empresa concorrente

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado