Seculo

 

Aprovada redução da APA do Mestre Álvaro em mais de mil hectares


31/05/2018 às 14:06
A Área de Proteção Ambiental (APA) do Mestre Álvaro, na Serra, será reduzida em 1.351 hectares. Essa é a proposta do Governo Paulo Hartung, aprovada nessa quarta-feira (30) pela Assembleia Legislativa em votação simbólica, com poucas vozes dissonantes.

O PL 99/2018 altera a Lei nº 4.507/1991, reduzindo o tamanho da APA dos atuais 3.740 para 2.389 hectares, além de prever a possibilidade de transferir a gestão da unidade para o município, onde parques e reservas estão abandonados e sem qualquer estrutura para a recepção de visitantes.

Além de sua importância para o paisagismo e a conservação da biodiversidade, a APA do Mestre Álvaro também é fundamental para o equilíbrio hídrico da região. Os alagados que a cercam, no entanto, próximos à Rodovia do Contorno, são alvo de intensa especulação imobiliária e industrial.

Calcula-se que pelo menos cinco mil hectares de alagados no entorno da APA deveriam ter uma medida específica de proteção legal. Mas ao invés disso, a APA, com área já insuficiente, é reduzida.

O deputado Sergio Majeski (PSB) foi um dos poucos a se posicionar contra a medida, que fere frontalmente a orientação dos ambientalistas e pesquisadores da Mata Atlântica capixaba. “É uma irresponsabilidade! O Mestre Álvaro já vem sendo ocupado irregularmente, não tem guarda florestal, não tem trilhas bem-feitas, não tem acompanhamento pra quem visita a região. Ao reduzir, vai incentivar mais a degradação ambiental daquela regia e a especulação imobiliária”, protestou Majeski, após a votação.

O deputado lembrou ainda um Termo de Compromisso Ambiental (TCA) assinado entre o governo estadual e o Ministério Público (MPES) em 2014, em que o Estado ficou obrigado a realizar uma série de medidas elementares para a conservação da biodiversidade capixaba, entre elas, instalar bases de apoio, contratar guardas florestais, incentivar a pesquisa científica e atualizar/elaborar Planos de Manejo das unidades de conservação.

“Até agora nada disso foi feito. O governo não cumpre o termo de compromisso assinado em 2014 e ainda manda um projeto desses que só acirra a degradação ambiental da região do Mestre Álvaro, que é uma referência pra toda a Grande Vitória”, denuncia.

O deputado Bruno Lamas (PSB) não chegou a tempo de votar a matéria, mas se posicionou contra a medida. “É um patrimônio dos capixabas, especialmente dos serranos, prestes a perder uma área de quase 10 milhões de metros quadrados em uma demarcação”, lamentou.

O parlamentar afirmou ainda que a matéria foi aprovada sem a devida documentação. “O projeto não foi amplamente debatido, é obscuro, e não traz nenhum benefício para o município da Serra”, finalizou. Lamas disse que vai recorrer, solicitando a anulação da votação.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso