Seculo

 

Crianças da aldeia de Comboios estão sem transporte escolar há cinco anos


02/06/2018 às 01:18
Este é o quinto ano letivo consecutivo que a Prefeitura de Aracruz nega o direito ao transporte escolar aos alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Indígena (Emefi) Dorvelina Coutinho, da Reserva Indígena Comboios. São 97 crianças e adolescentes, da etnia Tupinikim, matriculadas da pré-escola ao nono ano.

Até o encerramento das aulas de 2013, o transporte era fluvial, interligando as várias regiões da aldeia, instalada em uma península e em cujas ruas de areia é praticamente impossível o tráfego de ônibus motorizados.

Com o passar do tempo, algumas famílias tiveram que se mudar para a Aldeia Córrego do Ouro, mais próxima de outras escolas Tupinikim. Das que ficaram, quase 30 estão praticamente evadidos da escola, devido à ausência do transporte escolar.

Outras 14 fazem o trajeto a pé, mas chegam cansadas e desmotivadas, conta o cacique Toninho. E há ainda um grupo de aproximadamente dez crianças atendidas por um projeto educacional em um espaço improvisado, cedido pela avó de um aluno que estava sem estudar devido à impossibilidade de chegar à escola.

Desde 2014, a Emefi já enviou inúmeros requerimentos ao município, atualmente sob gestão do prefeito Jones Cavaglieri (SD), cobrando uma solução. Em 2018, o último ofício foi protocolado em janeiro, ocorrendo uma reunião em maio com a Secretaria de Educação, sob gestão da secretária Ilza Rodrigues Realli.

O cacique conta que foi feita uma visita ao projeto, seguida de duas promessas:  reformar o espaço e retomar o processo de licitação do transporte escolar. “As famílias querem que as crianças frequentem a escola, é o direito delas”, afirma.

Sobre a reativação do transporte, o anúncio também não atende à comunidade. “Eles alegaram que só duas empresas entraram na última licitação, mas eles precisam de três concorrentes”, diz, reclamando falta de iniciativa para encontrar uma solução definitiva e urgente, como, por exemplo, investir na adequação dos barcos existentes na comunidade, que sempre prestaram o serviço, para que atendam à legislação e possam transportar os alunos em segurança. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

De demolidor a demolido

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Licitação para gestão dos quiosques em Camburi só tem uma empresa concorrente

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado