Seculo

 

Deputados se negam a derrubar parecer contra PL que restringe plantios de eucaliptos


05/06/2018 às 12:49
Uma aparente manobra de bastidores impediu a votação, nessa segunda-feira (4), do parecer de inconstitucionalidade sobre o Projeto de Lei (PL) nº 337/2016, do deputado estadual Sergio Majeski (PSB), que propõe impedir o plantio de eucalipto em áreas de recarga hídrica e de nascentes no Estado.

O parecer da Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa era o item 12 da pauta do dia, mas a votação foi impedida após um pedido de recomposição de quórum, feito por Gildevan Fernandes (PTB). Sem atingir o número mínimo de parlamentares para a continuidade da votação, o parecer continua na pauta das próximas sessões ordinárias.

De acordo com parecer do colegiado, a matéria possui vício de iniciativa e inconstitucionalidade material, por violar os princípios da igualdade, livre iniciativa e concorrência e propriedade privada.

O PL 337/2016 altera a Lei 4.701/1992 e é constitucional, segundo o autor. “Não há inconstitucionalidade, ela pode ser proposta pela Assembleia e gostaria que continuasse a discussão”, afirmou Majeski, ao solicitar apoio dos colegas para derrubar o parecer e retomar a tramitação da matéria.

Vários deputados se posicionaram favoráveis ao pedido, como Gilsinho Lopes (PT), Freitas (PSB), Padre Honório (PT), Dr. Rafael Favatto (Patriotas) e José Esmeraldo (MDB).

Gilsinho classificou o projeto como “extremamente útil” e ressaltou o entendimento, já manifestado pela Procuradoria da Casa, de que a proposta é sim constitucional. “Sou membro suplente da Comissão de Justiça, mas não atuei nesse projeto. Gostaria de pedir a reconsideração porque o procurador deu pela constitucionalidade. Nossos procuradores são competentes e analisam os projetos à luz do direito”, ressaltou.

José Esmeraldo também defendeu a matéria. “Tem dez anos que falo sobre eucalipto. A plantação onde tem nascente seca a água, que vai ficando escassa até a morte (da nascente). É inadmissível plantar essa árvore que absorve onze litros de água por dia. Se tiver nascente, córrego, com certeza em pouco tempo desaparece. Na BR-262 tem eucalipto plantado em cima da nascente”, disse o emedebista.

O controle sobre a expansão de plantios de eucaliptos no Espírito Santo, promovido principalmente pela Aracruz Celulose (Fibria) e Suzano, tem sido tentado por meio de leis municipais, como em Conceição da Barra – onde a monocultura ocupa mais de 80% da área agricultável – em Mucurici e Ponto Belo, além de ações de comarcas regionais do Ministério Púbico Estadual (MPES). 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso