Seculo

 

Sesa confirma caso de Febre do Nilo no norte do Estado


06/06/2018 às 10:30
A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou a ocorrência no Estado de infecção em equídeo pelo vírus da Febre do Nilo, uma doença neurológica. O caso foi registrado em uma propriedade em São Mateus, norte do Estado, e o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal  (Idaf) teve conhecimento a partir da notificação de óbitos em cavalos na região, o que chamou atenção dos técnicos responsáveis na Sesa e desencadeou o trabalho de investigação dos casos. O exame confirmatório foi realizado pelo Instituto Evandro Chagas, laboratório oficial do Ministério da Saúde.
 
Nos meses de abril e maio deste ano, o Idaf recebeu seis notificações de mortalidade de equídeos por síndromes neurológicas nos municípios de Baixo Guandu, Nova Venécia, Boa Esperança e São Mateus. Apenas uma coleta indicou caso positivo para o vírus em questão. Em 2017, foram 25 notificações em todo o Estado, mas nenhuma com diagnóstico da doença.

A Febre do Nilo é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida aos seres humanos. A transmissão ocorre pela picada de mosquito. Humanos e equídeos não são capazes de infectar os mosquitos responsáveis pela transmissão da doença, nem transmitem a doença entre si.
 
Até hoje, não houve registro da doença em humanos no Espírito Santo. No Brasil, o Piauí foi o primeiro estado a registrar um caso da doença, em 2014.
 
Em geral, os sintomas nos animais são falta de coordenação motora, andar cambaleante, cegueira, cabeça baixa, orelhas caídas, apatia, podendo ser fatal. A doença também acomete aves e, nesses animais, observa-se mortalidade elevada. Não há tratamento específico.
 
A Sesa alerta que a comunicação é essencial para detectar a ocorrência de possíveis casos da doença e adotar as medidas sanitárias necessárias. Por isso, ao notar casos de mortalidade em equinos ou sinais de doenças neurológicas, a Sesa e o Idaf devem ser imediatamente notificados. A notificação pode ser feita diretamente nos escritórios locais do Idaf, por telefone ou mesmo por e-mail. Os contatos dos municípios estão disponíveis no site do Idaf (www.idaf.es.gov.br). Também é possível notificar na Secretaria Estadual de Saúde, pelo telefone (27) 9.9849-1613 ou pelo e-mail notifica.es@saude.es.gov.br.
 
O órgão garante que o trabalho de investigação epidemiológica se mantém nos municípios onde houve notificação, para acompanhar as propriedades, verificar novas ocorrências e realizar a vigilância em relação à mortalidade de aves silvestres.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso