Seculo

 

Sem respostas, índios capixabas e mineiros mantêm ocupação em Distrito de Saúde


07/06/2018 às 15:57
Após 11 dias de ocupação do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Governador Valadares (MG), que também atende às aldeias do Estado, e sem respostas às reivindicações, caciques dos dois estados realizaram um protesto nesta quarta-feira (7), ateando fogo em um carro da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) em frente ao local. Eles aguardam até hoje a chegada do secretário geral da Sesai, Marcos Antônio Toccolini, de Brasília, para as devidas negociações. 
 
“Só vamos sair daqui quando ele vier com sua equipe aqui em Valadares e assinarmos um Termo de Compromisso, com intermediação do Ministério Público Federal”, afirmou Pydobussu, o Cacique Toninho, da Aldeia Comboios, de Aracruz, norte do Estado.

Mas, segundo os índios, o secretário se nega a ir ao Distrito, enquanto perdurar a ocupação. Insatisfeitos com a postura de Toccolini, os caciques responsáveis pela ocupação prometem radicalizar ainda mais as ações. Três ônibus com índios Tupiniquim e Guarani do Estado chegaram nessa quarta-feira (6) a Governador Valadares, para reforçar o movimento.
 
A Comissão de Caciques capixaba reúne os líderes de onze aldeias de Aracruz, sendo sete Tupinikim – Caieiras Velha, Pau Brasil, Irajá, Comboios, Córrego do Ouro, Areal e Amarelos – e quatro Guarani – Boa Esperança, Três Palmeiras, Piraquê-açú e Olho d´Água –, onde vivem cerca de quatro mil indígenas.
 
Entre as reivindicações, estão a troca da frota de carros que atendem à saúde indígena em Aracruz; aumento da cota para aquisição de combustível para os veículos; convênio com hospitais e oficinas mecânicas; contratação de convênio para barqueiros, para locomoção de moradores de localidades de difícil acesso por estradas; compra de motor e barco pra atender à saúde; reforma e ampliação dos postos de saúde das aldeias; ampliação e construção das estações de tratamento de água; respeito às tradições indígenas de cuidados com a saúde, incluindo o uso de ervas medicinais e pajelanças; nomeação de um coordenador do DSEI local que conheça a realidade dos povos indígenas de Minas Gerais e Espírito Santo.
 
Vilson Tupiniquim, o Jaguareté, chefe da coordenação técnica local da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Aracruz, e que está em Minas ajudando na ocupação, conta que ainda não houve nenhum resultado concreto, mas a expectativa é que isso ocorra o mais breve possível. 
 
Paulo Tupinikim, líder da aldeia de Caieiras Velhas, disse que o secretário conhece as demandas dos povos indígenas, mas a situação se agravou muito nos últimos meses. “Aldeias que necessitam de barqueiros, por exemplo, para a travessia de pacientes, já estão há seis meses sem profissionais para atender a comunidade”, afirmou.
 
Na última segunda-feira (4), um grupo de índios guaranis da aldeia de Boa Esperança fizeram um protesto na ES-010 e interditaram a rodovia por cerca de uma hora em apoio ao grupo que está em Governador Valadares. Os indígenas bloquearam as duas pistas da rodovia e a passagem de carros com madeiras. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

De demolidor a demolido

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Licitação para gestão dos quiosques em Camburi só tem uma empresa concorrente

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado