Seculo

 

Prefeitura contrata anestesistas para Maternidade de Carapina por seis meses


08/06/2018 às 16:09
Após denúncias de que a Maternidade de Carapina inaugurou novos leitos sem, no entanto, ter anestesista para realizar os partos, a Prefeitura da Serra parece ter resolvido a questão, pelo menos, pelos próximos seis meses. No Diário Oficial dessa quinta-feira (7), foi publicada extrato do contrato de contrato emergencial (nº 145/2018), por dispensa de licitação, firmado com a Cooperativa de Anestesiologia do Espírito Santo, que prestará os serviços na unidade hospitalar. 
 
No entanto, a contratação emergencial, assinada pelo secretário de saúde da Serra, Benicio Farley Santos, de R$ 551 mil, é válida pelo prazo de seis meses. 
 
A Maternidade de Carapina, cujos novos leitos foram inaugurados pelo prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede) nessa segunda-feira (4), com a presença de aliados políticos, estava funcionando sem anestesista. Diante do descaso, o Sindicato dos Médicos  do Estado (Simes) havia alertado às gestantes e suas famílias que procurassem outras unidades de saúde para realizar os partos. 
 
“Procurem outra instituição de saúde para conferir dignidade ao parto, uma vez que a Maternidade de Carapina é extremamente irresponsável com a vida de seus pacientes”, disse, na ocasião, o presidente do Simes, Otto Baptista, que completou: “A ausência de um anestesista na Maternidade de Carapina é apenas mais um episódio do descaso e desrespeito da gestão com a área da saúde, em que a parturiente tem seus direitos negligenciados e proibidos - sim, essa é a palavra, uma vez que o município proíbe também que as mulheres em trabalho de parto tenham acompanhantes, como lhes é de direito”, completou Otto.
 
Além da falta de anestesista, a Maternidade de Carapina tem sofrido com problemas de infraestrutura. Segundo vistoria realizada pelo Sindicato dos Médicos, foram flagradas pacientes que acabaram de dar à luz sentadas em cadeiras de plástico, assim como outras que estavam em trabalho de parto. 
 
O Sindicato recebeu denúncias de condições impróprias para o atendimento à população e que foram confirmadas na vistoria, como falta de berço para os recém-nascidos, que acabam dormindo junto com as mães em salas de parto compartilhadas com gestantes. Além disso, há pacientes internadas no corredor da maternidade, na sala de repouso e até em mesas de parto. 
 
Materiais hospitalares também estão inadequadamente dispostos em banheiros de enfermarias. Há mofo no teto de enfermarias e lixo hospitalar aberto e em contato com pacientes.
 
“Verificamos também gestantes de alto risco instaladas em enfermarias improvisadas, peregrinando e implorando por uma vaga para dar a luz a seus filhos, correndo todo o risco de parir e não haver vagas nas UTIs Neonatal. Precisamos dar dignidade e respeito às mulheres capixabas antes e durante e após o parto. Para tal, o gestor não pode, jamais, negligenciar às suas obrigações”, afirmou Otto Baptista.
 
Com a nova ala, segundo a prefeitura, a maternidade passará a oferecer de 200 a 400 partos por mês, com ampliação de 20 para 39 leitos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso