Seculo

 

Ação quer garantir demarcação do território da comunidade tradicional de Caboclo Bernardo


11/06/2018 às 14:52
O Ministério Público Federal (MPF) no Espírito Santo e a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizaram ação civil pública contra a União, a empresa União Fabricação e Montagem Ltda. e seu sócio Salvador Vasques Auriema Turco para que, em tutela provisória de urgência, seja concluída pela União, em até seis meses, a demarcação do território ocupado pela Comunidade Tradicional de Caboclo Bernardo, em Linhares, norte do Estado. A ação pede também que seja reconhecido o direito de uso sustentável do território pela comunidade.
 
Outro pedido da ação é que a empresa União e seu sócio paguem indenização no valor de R$ 1 milhão pelos danos morais coletivos sofridos pela comunidade tradicional; não realizem qualquer medida que impeça o usufruto ou a utilização da comunidade ribeirinha das áreas comuns, como estrada e aquelas onde foram cultivadas lavouras de subsistência, até o julgamento final da ação; que todas as cercas e porteiras instaladas em área da União sejam retiradas pela empresa; e que nenhuma intervenção em área de preservação permanente seja realizada sem o prévio licenciamento ambiental.
 
A localidade onde está localizada a Comunidade de Caboclo Bernardo se estende entre os rios Doce e Preto. No entanto, laudo de avaliação preliminar da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) firmou que a área “é classificada com várzea inundável de rio federal navegável, no caso o Rio Doce, área indubitavelmente da União”.
 
A ação civil pública ajuizada pelo MPF e a DPU busca a delimitação exata e definitiva da extensão da área pública na localidade, mesmo que documentos produzidos já tenham dito que a área em discussão é de domínio público. A empresa União contesta a informação e afirma possuir “título legítimo” em seu favor.
 
“A omissão da União neste caso mostra-se relevante ao ponto de suscitar sua responsabilidade quanto aos danos sofridos pela Comunidade Tradicional de Caboclo Bernardo. Não é demais repetir que caso a União, por meio da SPU, tivesse atuado tempestivamente e delimitado a área federal, não haveria o presente enfrentamento”, diz a ação.
 
A população que vive na Comunidade de Caboclo Bernardo preenche todos os requisitos necessários ao usucapião coletivo rural e de tradicionalidade. A condição foi comprovada por estudo realizado pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), chamado Relatório de Identificação do Território Tradicional Ribeirinho da Foz do Rio Doce.
 
Ao longo de décadas a posse coletiva da região tem sido exercida de forma mansa, pacífica e com boa-fé pela Comunidade de Caboclo Bernardo. Mas, no mínimo, desde 1980, a comunidade sofre com transtornos externos. Desde 2012, com a instalação da empresa União, a situação se tornou “insustentável”, defende o MPF. A empresa instalou cercas e porteiras que limitam a locomoção dos membros da comunidade, entre outras ações violadoras. Além disso, está usando área pública e realizando instalações no local sem autorização de órgão competente.
 
O andamento do processo pode ser consultado no site da Justiça Federal, pelo número 0010625-94.2018.4.02.5004.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado