Seculo

 

Estudantes indígenas se mobilizam para reaver Bolsa-Permanência cortada por Temer


11/06/2018 às 18:05
“Não vamos desistir!”, afirma Jennifer Benedito de Oliveira Pêgo, do povo Tupinkim do Espírito Santo, em resposta à redução do Programa Bolsa-Permanência, que fornece uma bolsa no valor de R$ 900,00 para jovens indígenas e quilombolas matriculados em universidades públicas brasileiras.

O programa, que em 2017 já havia apresentado diversos problemas - com alunos recebendo o auxílio apenas no segundo semestre, alguns somente em dezembro –, neste ano sofreu um corte de mais de 60% no número de beneficiados – apenas 800 dos 2,5 mil inscritos –, contrastando com a estimativa de crescimento da demanda em 100%, elevando para 5.000 o número de estudantes com direito às bolsas, segundo dados da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e inclusão (Secadi) do MEC.

Jennifer ingressou este ano no curso de Gestão em Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB), depois de passar um ano na faculdade de Economia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Sua mãe já havia participado do Bolsa-Permanência e, diante da oportunidade, ela não titubeou em requerer. “Eu preciso, o meu povo necessita, então eu vou ingressar”, relembra.

A universitária Tupinikim participou da reunião realizada em Brasília no último dia 29 de maio com o ministro da Educação Rossieli Soares da Silva, onde ele reafirmou a funesta decisão, que, além da redução em si dos beneficiados, ainda visa gerar disputa e ressentimento entre a comunidade indígena e quilombola, ao manter apenas alguns “privilegiados” com o benefício.

Na reunião, o ministro chegou a anunciar uma segunda proposta, de criar uma Grupo de Trabalho (GT) para definir critérios para o acesso dos novos acadêmicos indígenas e quilombolas no Programa.

“Ao nosso ver, a proposta fere os direitos dos povos, nos põe em uma situação de conflito com os próprios parentes indígenas e quilombolas, dado que o momento é de união e somar forças”, repudiam, em nota oficial, os estudantes indígenas das cinco regiões do País e quilombolas, representados por 24 entidades assinantes do documento, sendo dez delas universidades federais.

Para Jennifer, trata-se de um processo de exclusão, de injustiça, de racismo. “Além das dificuldades psicológicas, de estar em outra sociedade diferente da nossa, uma sociedade muito desigual e que te trata de um ponto de vista muito pejorativo e minoritário, a nossa única garantia era de que, pelo menos, fome a gente não iria passar”, conta.

O programa, explica, “não nasceu do nada, não foi um governo que deu, ele surgiu de uma necessidade e de uma luta do movimento indígena e quilombola”, diz.

Jocelino Tupinikim, morador da aldeia Caieiras Velha, em Aracruz, e membro da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena, diz que a próxima reunião da Comissão, no final de junho, terá o Programa Bolsa-Permanência como ponto de pauta. “É uma falta de respeito cortar de cima pra baixo um direito já garantido”, protesta, ressaltando que medidas assim também têm o objetivo de “cegar a sociedade para as causas que fazem o país ser rico, que é diferença”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado

Etapa Vitória