Seculo

 

Ditadura nunca mais


14/06/2018 às 10:13
Embora tardia, a devolução dos mandatos de deputados estaduais no Espírito Santo cassados pela ditadura militar, em ato realizado na Assembleia Legislativa na terça-feira (12), se reveste de um simbolismo muito forte. 
Apropriado para contradizer milhares de desavisados e outros tantos desinformados que, irresponsavelmente, bradam pela intervenção fardada nos destinos do Brasil. 
A homenagem prestada aos ex-deputados estaduais José Ignácio Ferreira e Dailson Laranja representa uma reparação histórica, embora não tenha o alcance que ainda se faz necessário para revelar todas as atrocidades cometidas naquele período nefasto, apesar dos trabalhos, em nível de Brasil, da Comissão da Verdade e de outros núcleos de investigação que trouxeram à tona fatos, mas foram parados na fase de apontar os culpados.
Somente neste ano, os crimes dos ditadores vieram a ser revelados em documentos do serviço secreto norte-americano, que apontam os ditadores Geisel, Figueiredo e Médici como ordenadores de torturas e  assassinatos cometidos nos quartéis. Sem maiores consequências, em decorrência de apressadas medidas para minimizar o nível das atrocidades cometidas. 
O ato simbólico da devolução dos mandatos dos dois personagens da política do Espírito Santo, por iniciativa do ex-deputado Carlos Vereza (PT) e da deputada Luzia Toledo (MDB), gera uma reflexão sobre o contexto nacional a partir do golpe militar, levando em conta que vários dos personagens ainda desenvolvem atividade política, com poder de mando em todos os níveis da administração pública. 
O que fica do ato promovido pela Assembleia, além da homenagem a personagens que vivenciaram maus tratos no período, como o repórter fotográfico Gildo Loyola e o ex-combatente Granja, de 104 anos, é a marca de remar contra a maré de ódio, de centralização de poder e da manutenção de privilégios seculares da elite que se espalha pelo País. 
Personagens que viveram aquela época  são lições vivas de história, um para o lado da justiça social, outros, peças na engrenagem que move a população para o lado duro da sobrevivência humana, onde não há lugar para o pluralismo de idéias, o debate democrático e o acolhimento dos desgarrados. 
Aqueles que defendem a intervenção militar para colocar as coisas nos trilhos são os mesmos que estimulam a desigualdade em todos os níveis, o armamento da população a bradam contra pobres e pretos. Muitos apoiam o sequestro do Estado pelas corporações religiosas e empresariais e desconhecem desmandos de gestores públicos.
Não sabem o que é justiça social, mas cantam a democracia sem nem saber do que se trata. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Assaltante foragido da Justiça capixaba é preso em estádio na Rússia

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado

Etapa Vitória