Seculo

 

Defensoria prevê orçamento de R$ 7 milhões sem garantia de reposição de pessoal


09/07/2018 às 09:20
A Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES) deve contar com um aumento de R$ 7 milhões no orçamento, previsto para o ano que vem. A projeção consta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada pela Assembleia Legislativa na última segunda-feira (2). O orçamento, no entanto, não prevê a reposição de pessoal e seria usado para aumentar salários e benefícios da categoria.
 
A emenda, que ainda passará pela aprovação final da Assembleia em dezembro, tem gerado dúvidas e expectativas dos 100 aprovados no último concurso da Defensoria Estadual. Para eles, a receita prevista seria suficiente para nomear mais 30 novos defensores. Atualmente, o Espírito Santo conta com 160 profissionais para atender apenas 26 dos 78 municípios capixabas.
 
O representante dos aprovados, Vitor Ramalho, ressalta que o gasto da DPES com pessoal é equivalente a R$ 49 milhões por ano. “Considerando o salário de R$ 10,3 mil, auxílio alimentação, décimo terceiro e férias, além de gastos previdenciários, podemos afirmar que o custo final de um defensor público por ano representa cerca de R$ 200 mil. O aumento de R$ 7 milhões no orçamento da DPES seria suficiente para nomear mais 30 novos defensores e queremos que isso seja uma prioridade do órgão”, explica Vitor.
 
Segundo Vitor, o déficit de defensores no Estado só favorece o descumprimento da Emenda Constitucional 80/2014, que determina a presença de defensores em todas as comarcas do Espírito Santo. “Entendemos que o orçamento da DPES deve ser voltado para a reposição dos quadros do órgão, pois só assim a emenda constitucional poderá ser cumprida. O número de aprovados no último concurso é suficiente para suprir esse déficit de profissionais. Além disso, a Constituição Federal de 1988 determina que o cargo de defensor só pode ser provido por meio de concurso público”, salienta.
 
Hoje, apenas 26 dos 78 municípios capixabas contam com a presença da Defensoria.  A comissão enfatiza que o gasto com advogados dativos só prejudica os cofres públicos e o atendimento extrajudicial que é prestado à população carente, uma vez que os dativos cumprem apenas um ato do processo. A comissão reitera que o número de aprovados no último concurso é suficiente para suprir o déficit de profissionais da Defensoria Estadual e ressalta que a Constituição Federal de 1988 determina que o cargo de defensor só pode ser provido por meio de concurso público.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

'Devoção' cega

A quadrilha democrática da Rua Sete