Seculo

 

Rede na varanda


01/08/2012 às 10:18

 

Nossos profundos sentimentos a quem mora em apartamento. Nessas tardes frescas de inverno, as receitas de vida longa e felicidade eterna recomendam uma rede na varanda. Mas não valem varandas de apartamento; estas são debuxos melancólicos de suas irmãs caseiras; são frias e impessoais; e costumam dar para paredes vizinhas, janelas vizinhas, copa, cozinha, sala, quarto e intimidades vizinhas.
 
As mesmas receitas recomendam que homens, mulheres e crianças esparramem seus corpos por toda a extensão de uma rede na varanda. Dos oito aos oitenta a vida hoje não absolve ninguém. Daí a importância de uma rede na varanda. O sofá da sala lhe espera; mas o controle da TV também lhe faz plantão.
 
Se o anjinho sapeca da tentação lhe espicaçar a alma, solicite reforço: provenha-se de um livro, um mp3 player ou um chá de hortelã (quente). E siga para a rede na varanda que vai ficar tudo bem, prometo. Obs.: extraordinariamente a dica vale tanto para quem tem por lar um apê ou uma casa - os momentos mais agudos da vida não permitem discriminações de tal natureza.
 
Isso não é uma apologia à preguiça; é uma elegia à vida. A rede na varanda dá para a rua – isso se você não mora numa dessas fortalezas modernas. Você pode distribuir seu corpo de modo a lhe permitir a observação da vida ao entorno, o vizinho que passa, a folha que cai, o chato do marimbondo que voa cada vez mais perto e ferroada de marimbondo não é legal...
 
Não obstante os marimbondos - que Jah os proteja e a nós não desampare - rede na varanda é um inegável refúgio de vida. Você pode se acomodar com sua querida barriga para cima e desfrutar o céu lá em cima. Tomara ainda que haja urubus; às vezes eles voam em altitudes tão insondáveis que lembram inanimados risquinhos negros fazendo cócegas nos pios pés do Criador.
 
Se a vista dá para oeste, tanto melhor. Se o dia for aberto, você verá a tarde minguando. Quando o sol começa a se esconder atrás das casas, árvores e morros, a borda do horizonte ganha um tom esparsamente branco; parece que o decorrer da tarde não é nada mais que um lento processo de empalidecimento do frágil azul do céu de inverno. Ali o dia cerra os olhos e, como bom filho de Deus, vai dormir.
 
Se o dia estiver nublado - coisa mais natural no inverno - tanto faz que sua varanda contemple o leste ou o oeste. As nuvens são boas amigas. Portanto, meu amigo, minha amiga, se você tem casa e, ainda por cima, uma rede na varanda, nossos cumprimentos. Percalços existem para todos; mas a nós, especialmente, a vida nos será boa e suave.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Exigência de apoio do PSDB ao PSB nos estados deixa Colnago e Hartung em saia justa

Evangélicos se dividem em dois grupos na disputa deste ano

Sobre um pesadelo

Apertem os cintos...

Gestão hi-tech