Marinho Celestino, uma lembrança entre muitas

Como venho contando, minha mãe foi atriz. Estreou no teatro pelas mãos de Paulo DePaula em “Anchieta: um depoimento”, em abril de 1976, no Teatro Carlos Gomes. Depois vieram experiências com outros parceiros de palco e arte. Um desses parceiros, talvez o mais inusitado, foi Marinho Celestino, que viveu na França por uns bons anos e voltou de lá cheio de ideias.  Uma das ideias foi fazer teatro em Vitória. Não se sabe se ele fez teatro na França – cinema sim, que ele provou –, mas ousou encenar Samuel Beckett no então improvisado Teatro do Mercado da Capixaba, no início dos anos 1980. “Esperando Godot” teve em seu elenco Bob de Paula, Milson Henriques, Laura Lustosa, Ângela Buaiz e Branca Santos Neves, sob direção de Marinho Celestino.

Mas antes de tratar dessa experiência, vou apresentar Marinho, ou ao menos contar alguma das muitas lembranças que tenho dele, pois histórias, muitas histórias, foi o que ele deixou na memória de quem o conheceu.

Marinho Celestino, Marinho festivo, Marinho trambiqueiro, Marinho “pé de pato”

Marinho era uma figura em todos os sentidos. Fisicamente, sua presença chamava atenção. Mulato alto, corpulento e bicha, costumava vestir-se com batas e calças pantalonas (traje típico da época) apertadérrimas até a altura do joelho que pareciam prestes a arrebentar naquelas coxas grossas. Dono de uma das bundas mais insinuantes da cidade, Marinho tinha um salão de beleza badaladíssimo nas décadas de 1960 e 1970 e era a festa em pessoa. Feminino, extrovertido e falante, cortou o cabelo de muitos. Pediu empréstimo que nunca pagou – minha mãe se queixou muito – e foi morar em Paris, na época que muitos brasileiros se exilaram na Europa por opressão ou por vontade própria (chegamos atrasados para os anos 20, mas fizemos, nos anos 70, de Paris a nossa festa). De lá mandou e trouxe novidades e muitas histórias – algumas possivelmente verídicas e outras provavelmente exageradas.

Porque ele era exagerado. Exagerava o nome da minha mãe quando encontrava com ela – “Branquiiiiiinnnhhhaaa”.  Isso antes dos dissabores. E depois também, acho. Marinho era pé de pato e cara de pau. E incrivelmente sedutor. Envolvente, de fato. Perdoável também. Minha mãe perdoou.

Onde andarás?

Enquanto morou na Europa, Marinho veio ao Brasil com frequência anual. Numa dessas vindas levou um rapaz bonito, argentino, de nome Rodolfo, para dormir lá em casa. Minha mãe providenciou uma cama para os dois. No dia seguinte Marinho foi embora e Rodolfo ficou com a gente. Gostou de todos nós e nós dele também. Contou ter deixado a Argentina por causa de seus cabelos cumpridos, que para a ditadura militar e paranóica que vitimou também nossos vizinhos, era sinal de subversão. Depois continuou mochileiro em direção ao Nordeste com intenção de chegar ao México. De Olinda, mandou notícias. Estava bem e com saudades. Voltou à Vitória um ano depois e foi direto lá pra casa, acolhida certa. Matou nossas saudades, contou histórias de viagem, viveu uma paixão. E foi embora mais uma vez. Notícias nunca mais. Por onde andará Rodolfo?

Ah, sim, Rodolfo teve sucesso: alcançou o México com o polegar estendido.

 

Rodolfo, Bia e Tango na varanda

Na varanda da casa do morro, Rodolfo, Bianca minha irmã e Tango, o cachorro que coincidentemente já tinha este nome antes de Rodolfo chegar. Prenúncio de boas vindas. Foto: Flavinho Santos (o menino de Pasolini, como dizia Marinho)

A foto e outras histórias de Marinho ficam para o próximo post.

Dois em cena – Branca Santos Neves e Jace Teodoro

Dois em cena – Branca Santos Neves e Jace Teodoro

Jace Teodoro conheceu Branca Santos Neves por causa de uma música de Billie Hollyday. Ele me contou: “um dia entrei no salão de ensaios da Academia de Karla Ferreira, onde fazia aulas de dança, cantarolando ‘You’ve changed’ e uma voz vinda do fundo do salão me acompanhou. Era Branca.”

Minha mãe se apresentava assim, puxando conversa, chegando (ou cantando) junto. Sempre alerta, sempre interessada. “Branca me apresentou a muitas pessoas interessantes. Eu vinha do Rio de Janeiro depois de 16 anos morando lá e sem conhecer quase ninguém em Vitória. Ela era uma pessoa aglutinadora e foi generosa comigo.” Depois do primeiro encontro, tornaram-se inseparáveis, trabalhando e badalando pela cidade.

Dois espetáculos

Eu encontrei Jace em vésperas de lançamento de seu terceiro livro de crônicas, “A palavra que apalavra”, título também do último espetáculo que ele criou e encenou com a minha mãe. O espetáculo em que ela começou a esquecer palavras.

“Fizemos dois espetáculos juntos”, lembra Jace. O primeiro foi “Enquanto uns cegos, outros olhos”, em meados da década de 1990, e que também reunia teatro, música, dança e poemas, como não poderia deixar de ser. As palavras estão em Jace desde muito cedo, ainda nas salas de aula onde ele já gostava de ler em voz alta seus exercícios de redações. “Palavra tem a ver com ritmo, respiração, pontuação”. Ele contou que o processo de criação dos espetáculos que fez com Branca era também um processo coletivo e acontecia durante os ensaios. “Em ‘A palavra que apalavra’ eu tinha uma ideia do que seria o espetáculo, que foi sendo criado com os jogos de palavras que eu Branca fazíamos durante os ensaios e pelo ritmo e melodia que vinham do acordeom do Mirano. Foi um ‘working in progress.’” “A palavra…” contava ainda com as participações de Duda Padovan e Paulo Sodré e teve direção de Erlon Paschoal.

Os dois espetáculos passaram pelos teatros Sesi, Carlos Gomes e o Galpão, que hoje funciona como cerimonial para festas e comemorações.

Últimos palcos

A princípio, Jace se mostrou reticente com meu convite para falar de Branca e mencionar o início do processo de esquecimento. Mas entendeu que a proposta é como uma homenagem à história e as memórias dela. Então ele recordou a casa do Barro Vermelho e a sala estúdio que ela adaptou para aulas de postura corporal e onde ocorreram ensaios dos espetáculos. A mesma sala ampla e um tanto austera que foi mudando e mostrando os novos interesses de Branca – no início o pôster de Caetano no tempo da Tropicália e depois e até a venda da casa, transformada em sala estúdio e que serviu aos primeiros ensaios de “Enquanto uns cegos…”

“Branca era uma atriz entusiasmada, que se punha à disposição das criações artísticas, e uma pessoa corajosa. Lembro que pensei uma cena de seio desnudo para ‘A palavra…’, mas fiquei com receio sobre ela aceitar, afinal poderia parecer escandaloso para uma mulher de 60 anos. Que nada, ela topou na hora e tirou a blusa ali mesmo. Levei um susto.” O problema para ela é que “A palavra…” era um espetáculo de muito texto, marcação e coreografia. E Branca começou a demonstrar dificuldade de memorizar. “Tivemos que diminuir a participação dela para não sobrecarregá-la, mas mantive a cena solo do seio desnudo, quando o palco era todo dela”, lembra Jace.

A cena do esquecimento do poema em “A palavra que apalavra”, que mencionei no post anterior foi um dos primeiros sintomas do mal que foi afastando minha mãe dos palcos. Ela ainda faria alguns trabalhos com Paulo de Paula, que a introduziu ao palco em meados da década de 1970, e que foi seu parceiro mais constante – como ator ou como diretor. Aos poucos ela foi deixando os palcos e as câmeras.