Dois em cena – Branca Santos Neves e Jace Teodoro

Dois em cena – Branca Santos Neves e Jace Teodoro

Jace Teodoro conheceu Branca Santos Neves por causa de uma música de Billie Hollyday. Ele me contou: “um dia entrei no salão de ensaios da Academia de Karla Ferreira, onde fazia aulas de dança, cantarolando ‘You’ve changed’ e uma voz vinda do fundo do salão me acompanhou. Era Branca.”

Minha mãe se apresentava assim, puxando conversa, chegando (ou cantando) junto. Sempre alerta, sempre interessada. “Branca me apresentou a muitas pessoas interessantes. Eu vinha do Rio de Janeiro depois de 16 anos morando lá e sem conhecer quase ninguém em Vitória. Ela era uma pessoa aglutinadora e foi generosa comigo.” Depois do primeiro encontro, tornaram-se inseparáveis, trabalhando e badalando pela cidade.

Dois espetáculos

Eu encontrei Jace em vésperas de lançamento de seu terceiro livro de crônicas, “A palavra que apalavra”, título também do último espetáculo que ele criou e encenou com a minha mãe. O espetáculo em que ela começou a esquecer palavras.

“Fizemos dois espetáculos juntos”, lembra Jace. O primeiro foi “Enquanto uns cegos, outros olhos”, em meados da década de 1990, e que também reunia teatro, música, dança e poemas, como não poderia deixar de ser. As palavras estão em Jace desde muito cedo, ainda nas salas de aula onde ele já gostava de ler em voz alta seus exercícios de redações. “Palavra tem a ver com ritmo, respiração, pontuação”. Ele contou que o processo de criação dos espetáculos que fez com Branca era também um processo coletivo e acontecia durante os ensaios. “Em ‘A palavra que apalavra’ eu tinha uma ideia do que seria o espetáculo, que foi sendo criado com os jogos de palavras que eu Branca fazíamos durante os ensaios e pelo ritmo e melodia que vinham do acordeom do Mirano. Foi um ‘working in progress.’” “A palavra…” contava ainda com as participações de Duda Padovan e Paulo Sodré e teve direção de Erlon Paschoal.

Os dois espetáculos passaram pelos teatros Sesi, Carlos Gomes e o Galpão, que hoje funciona como cerimonial para festas e comemorações.

Últimos palcos

A princípio, Jace se mostrou reticente com meu convite para falar de Branca e mencionar o início do processo de esquecimento. Mas entendeu que a proposta é como uma homenagem à história e as memórias dela. Então ele recordou a casa do Barro Vermelho e a sala estúdio que ela adaptou para aulas de postura corporal e onde ocorreram ensaios dos espetáculos. A mesma sala ampla e um tanto austera que foi mudando e mostrando os novos interesses de Branca – no início o pôster de Caetano no tempo da Tropicália e depois e até a venda da casa, transformada em sala estúdio e que serviu aos primeiros ensaios de “Enquanto uns cegos…”

“Branca era uma atriz entusiasmada, que se punha à disposição das criações artísticas, e uma pessoa corajosa. Lembro que pensei uma cena de seio desnudo para ‘A palavra…’, mas fiquei com receio sobre ela aceitar, afinal poderia parecer escandaloso para uma mulher de 60 anos. Que nada, ela topou na hora e tirou a blusa ali mesmo. Levei um susto.” O problema para ela é que “A palavra…” era um espetáculo de muito texto, marcação e coreografia. E Branca começou a demonstrar dificuldade de memorizar. “Tivemos que diminuir a participação dela para não sobrecarregá-la, mas mantive a cena solo do seio desnudo, quando o palco era todo dela”, lembra Jace.

A cena do esquecimento do poema em “A palavra que apalavra”, que mencionei no post anterior foi um dos primeiros sintomas do mal que foi afastando minha mãe dos palcos. Ela ainda faria alguns trabalhos com Paulo de Paula, que a introduziu ao palco em meados da década de 1970, e que foi seu parceiro mais constante – como ator ou como diretor. Aos poucos ela foi deixando os palcos e as câmeras.

 

Jace Teodoro e a crônica nossa de cada dia

Jace Teodoro e a crônica nossa de cada dia

Aviso aos navegantes recentes: esse é o segundo texto sobre as memórias de Branca Santos Neves contadas por mim com o auxílio precioso de quem conviveu com ela. Jace, agora.

***

Os sintomas da do mal que acomete minha mãe e que a deixa agora sem memória foram surgindo aos poucos. Pequenos esquecimentos que a princípio não pareciam tão diferentes de um jeito avoado que ela sempre teve e que até parecia diverti-la. Mas foi ficando mais constante. Um dia, no palco, deu-se um lapso. O poema “A mulher das cebolas”, de Jace Teodoro, que ela declamava em ato do espetáculo “A palavra que apalavra”, ficou pelo meio.

Sou uma mulher derramando lágrimas ao meio-dia, pra quem não há manhãs nem fins de tarde. Apenas cebolas como guia/ mais couve, ovos estrelados, bife e cabelos de gordura (…)

Jace intercedeu e deu guia. E então Branca falou mais ato e recordou o poema até o fim:

Sou essa mulher de sonhos partidos ao meio/ que não conhece do sexo a virtude. Apenas calcinhas no varal e dois dedos tentando acordar o bico adormecido dos seios.

“A palavra que apalavra” é também o título terceiro livro de Jace, autor das duas obras de títulos idênticos, mas de formas e conteúdos diferentes. Enquanto uma é livro de crônicas recém-lançado, a outra foi um espetáculo que reuniu dança, teatro e música que ele criou e mais uma vez atuou com Branca Santos Neves, em 2000. Um espetáculo que conciliou todos os talentos de Branca e Jace.

Jace foi um dos muitos amigos que frequentou a casa de Branca no Morro do Barro Vermelho.

A palavra que apalavra, o livro

Antes de seguir com as lembranças da parceria (que seguirei em próximo post), faço um parêntese para falar de Jace e do livro dele. Pois que então, além de ator e bailarino, Jace é dado às criações que as palavras possibilitam, sobretudo quando em forma de crônicas. Jace, além de jornalista (também), é um cronista natural, que sabe extrair assunto do cotidiano corriqueiro e versar com leveza, humor e um pouco de pimenta sobre situações aparentemente banais da vida diária e das notícias do dia. Como ele mesmo escreveu: “miudezas cotidianas são atrativos e cardápio deste cronista”. A astúcia, a perspicácia e a delícia dos textos de Jace surpreende até mesmo o tédio dos insensíveis.

A crônica de Jace trata o leitor como um amigo a quem ele conta, comenta e confidencia casos, fatos, notícias e sentimentos. As palavras são coloquiais, fluidas e exatas nas intenções e no espírito do texto.

Já nos títulos, Jace mostra seu estilo. Ele adora dar títulos, acha que são como convite ao texto ou a moldura deles. Alguns são feitos de citações e referências, como “Ando meio desligado”, que conta casos de gente avoada na vida, como a amiga que esqueceu um bob no penteado da noite; ou em “Maria Bethânia, tu és para mim…” para exaltar a rainha cantante que ele assistiu no espetáculo “Bethânia e as palavras” e que tanto admira; “O vento levou” sobre uma viagem alucinada num Transcol no tráfego da Terceira Ponte; ou ainda “Pela estrada afora”, uma crítica aos motoristas apressados dos ônibus rodoviários – “que se acham a última pastilha do freio antes da descida pro inferno de Dante” – e às estradas mal conservadas do país.

Outros títulos introduzem textos sobre estados de ânimo – “Preguiça” – ou de espírito – “Um brinde aos encontros”. Como um bom cronista, Jace Teodoro é um observador atento, sensível e pessoal do comportamento humano e dos fatos da nossa atualidade.

Noite de autógrafos, muitos autógrafos

“A palavra que a palavra”, o livro, reúne 41 crônicas publicadas entre 2013 e 2014 no Caderno Dois do jornal A Gazeta. O lançamento aconteceu ontem, no Canto do Vinho, Praia do Canto, e atraiu muita gente, pois Jace é querido, curtido e do balacobaco.

Estive lá, mas não falei com ele. A fila do autógrafo era longa e lenta, já que a Jace não basta a dedicatória, mas também a conversa e a entrevista, os abraços e beijos e fotos, muitas fotos. Então, deixo para pegar a dedicatória para o meu exemplar numa próxima ocasião, afinal precisava voltar para casa para escrever o texto. Mas ao menos pude vê-lo feliz e cercado de amigos e admiradores na noite de lançamento de seu novo livro, que, pelo visto, já é um sucesso desde ontem.

***

A propósito, a produção da noite e da obra foi da Caju Produções, a mesma produtora que viabilizou “A palavra que apalavra”, o último espetáculo que Branca e Jace fizeram juntos.

Foto: Léo Alves