As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca

Em posts anteriores, andei lembrando o ano de 1969 por causa dos Mamíferos. As lembranças desse ano me obrigam a fazer uma correção. No primeiro texto que escrevi sobre minha mãe, havia dito que os primeiros sinais de suas mudanças de gosto e interesses tinha a ver com as mudanças na decoração da casa dela e com o pôster de Caetano na parede da sala maior, da época que ele gravou o LP Transa. Mas Transa foi lançado em janeiro de 1972. E agora lembro que as mudanças no interior da casa começaram antes, começaram quando suas paredes foram sendo decoradas com as primeiras pinturas de Luizah Dantas, então uma muito jovem estudante de Artes Plásticas da Ufes. E isso começou em 1969, com certeza.

Sei que era 1969, pois achava curiosa a forma como Luizah anotava o ano da obra ao lado de sua assinatura, no canto inferior direito da tela. Ela desenhava um círculo e puxava uma perna para cima e outra para baixo, formando os números 6 e 9 unidos na mesma volta. Lembro de um quadro em especial, com pessoas em vota de mesa de refeição que, para mim, remetia a “Panis et Circense “ uma música de Caetano e Gil gravada por Os Mutantes, em disco lançado um ano antes, mas que ainda fazia sucesso em 1969.

A praia do Sacre-Couer

Luizah conheceu minha mãe de uma forma parecida de como foi com Marco Antônio Grijó, uma forma que mostra um jeito de Branca de fazer amigos e um pouco da personalidade dela, curiosa, interessada e espontânea. O encontro com Luizah também foi casual e ocorreu em outro ambiente que Branca adorava frequentar, além da loja de disco de Jairo Maia: a praia.

“Conheci Branca em fevereiro de 1969 , lembrou Luizah. “Foi na praia do Colégio Sacre Couer. Ela chegou com vocês [os filhos] e puxou conversa. Era expansiva. Eu falei de um quadro que havia pintado e reproduzi na areia da praia. Ela disse: é meu, quero ele. Foi a primeira pessoa que comprou uma obra minha”.

Branca convidou Luizah para ir à praia novamente no dia seguinte. “’Vamos conversar mais’, ela me disse. E depois me convidou a sua casa. Branca era muito comunicativa. Fiquei louca quando cheguei e vi tantos livros.” Os amigos de minha mãe em geral eram mais novos, às vezes bem mais novos, do que ela. Luizah tinha 18 anos na época e minha mãe já tinha seus quatro filhos.

Noites adentro

Depois da praia, Luizah passou a frequentar a casa. “Nós sentávamos para conversar. Eu, Branca, Victor, Carmélia, Rogério Coimbra, Toninho Rosseti e discutíamos o que estava acontecendo dentro da arte no mundo – no teatro, na música, no cinema. Os beatniks ainda estavam em voga e liam-se poemas de Ginsberg. Branca gostava especialmente de um poema do Ginsberg – The Animals.” Luisah já conhecia Rogério Coimbra da Praia do Canto, onde ambos moravam, dos tempos que pegavam o mesmo ônibus a caminho da escola. Voltou a encontrá-lo na casa de Branca, assim como encontrou também Afonso Abreu, Mário Rui, Marco Antônio Grijó e Marinho Celestino, personagens de textos passados. “Sua mãe deu uma força para Marinho fantástico. Foi ela que levou ele para Paris.”

Marco Antônio Grijó lembra que a casa de Branca era uma das melhores opções na cidade para encontrar movimento interessante e fora do agito juvenil do centro da cidade. “Íamos muito à praia e depois íamos à casa de Branca, que era um lugar sempre em movimento de pessoas amigas falando e fazendo arte. Fora isso, não havia muito que fazer na cidade.”

A impressão de Luizah sobre Vitória daqueles anos é um pouco diferente das impressões de Marco Antônio, que diz não haver muitas opções na cidade. É natural que Marco Antônio tivesse esta impressão, pois vinha de uma experiência de vida paulista, onde tocara na noite paulistana com músicos profissionais que foram base de sua formação musical. Mas para Luizah, que ainda não tinha ganhado mundo como faria mais tarde, Vitória era ótima. “Tinha todos os cinemas funcionando. Juparanã, Odeon, São Luiz, Santa Cecília. E tinha festivais de filmes franceses, filmes alemães etc. Eu ia com sua mãe e depois íamos para o Bar Santos, o Mar e Terra, o Britz Bar.” Nas lembranças de Luizah, havia em Vitória uma boa oferta cultural na cidade e, quando não, sempre havia a casa de Branca.

A casa era como um pólo cultural, por reunir aquelas pessoas e pelas conversas. “Aprendi muita coisa com sua mãe e seu pai. Éramos amigos para caramba. A gente conversava até às quatro horas da manhã. A gente ficava o dia inteiro lá, tomava banho e voltava. Sua mãe sempre tinha um programa para sugerir. ‘Hoje vai passar um filme do Goddard.’ Então íamos a casa e conversamos sobre o cinema do Goddard. Já íamos para o cinema de cabeça feita. Depois do filme íamos conversar sobre o que tínhamos assistido.“

Branca e o cinema

O cinema foi outra das muitas paixões de Branca. Seu envolvimento com a Sétima Arte se deu não só como atriz, mas ainda como a crítica de cinema no jornal O Diário entre as décadas de 1960 e 1970. Mas este é um assunto para post futuro. Para não me alongar aqui, fecho o texto com outras impressões de Luizah Dantas sobre Vitória daquela época na casa de Branca:

“Éramos felizes e não sabíamos. A gente ficava muito à vontade, entre amigos, sem hora de almoço, sem hora de ir embora. Hoje não é assim. É mais tenso e pouco frequentamos as casas uns de outros”.