Visão limitada da classe política engaveta projetos importantes

Roberto Junquilho

Projetos de mobilidade urbana da Grande Vitória anunciados por sucessivos governos do Espírito Santo se encaixam como um exemplo perfeito da visão limitada da classe política, ressaltadas raríssimas exceções. Em consequência, há um desorganizado cenário na gestão pública, principalmente com a paralisação de programas e projetos toda vez que ocorre a mudança do gestor pela via de processo eleitoral.

Ações de novos gestores públicos, geralmente anunciadas com grande estardalhaço, envolvem contratação de especialistas em diferentes áreas, técnicos, servidores e gastos em campanhas publicitárias. Como demoram a sair do papel ou são, simplesmente, engavetadas, provocam significativos prejuízos e frustração para as equipes técnicas. Leia mais

Aprovado em concurso aguarda nomeação há 23 anos

Navarro

Francisco Elias Pereira Navarro é pintor de paredes, vida difícil aos 55 anos. Carrega uma queixa que tenta esconder no sorriso fácil, ao ver desfeito, mais uma vez, o sonho de ser investigador da Polícia Civil. Francisco é um dos mais de 100 aprovados em concurso público realizado em 1993 que ainda não foram nomeados para a função.

O governo do Estado se firma na posição de não efetuar novas nomeações, sob a velha argumentação da falta de recursos financeiros. Uma situação que desagrada a entidades de classe da área de segurança, que se movimentam de forma unificada, podendo haver a deflagração de uma greve ainda neste mês. Leia mais