Por que é tão difícil a fidelidade no meio gay?

gif-sterek-animated-kiss-878-sx

A infidelidade no meio gay é social e fisiológica. Social porque mesmo homens gays podem ser machistas. Vivemos nesse contexto social já bastante citado no blog “Minha Vida Gay”, no qual o homem tem uma certa “liberdade e autonomia” para pular a cerca. Não seria muito diferente com um homem gay que se sente livre, autônomo e descomprometido.

É fisiológico porque o homem tem uma natureza sexual mais aflorada, da procriação, o que não excluem aquelas mulheres que também tem um apetite sexual intenso.

pedro_beto_henrique_by_alex_machadoNesse contexto, quando são dois homens gays, a fidelidade pode se tornar mais volátil. Pessoalmente, carrego uma “ficha limpa” e até hoje não trai nenhum dos meus namorados (e não vejo isso como um mérito, mas é um fato). Foram relações de mais de um ano e meio e, se nesse período eles deram uma escapadinha não tem como afirmar porque, no final, nunca fiquei sabendo. Posso dizer que tive também a oportunidade de me relacionar com pessoas mais sérias na questão da fidelidade e, mesmo aqueles mais “fogueteiros”, acabavam “cumprindo o papel” ao meu lado (a ironia pode dizer que não, mas eu confio). Fidelidade tem a ver com respeito. Respeito tem a ver com educação.

Penso que a fidelidade é uma virtude, ou até mesmo um diferencial em pessoas do meio gay (principalmente no meio gay masculino). Casos de traição ou de relacionamentos múltiplos a gente ouve aos montes. São os relatos de amigos, de colegas e, muitas vezes, as pessoas acabam por supervalorizar a traição. Coisa estranha, mas é o que as vezes acontece. Quando alguém termina um namoro a primeira coisa que as pessoas pensam é: “trocou por outra pessoa”?

janela-da-infidelidadeMuitas vezes a traição vira justificativa da atitude alheia (ou ausência de atitude).

A ideia de ser fiel recai novamente sob a maturidade de um indivíduo. O gay ou é muito permissivo ou é muito possessivo (difícil encontrar um meio termo). Priorizar outras ocupações na vida que vão além do desejo de dar uma “escapadinha”, é raro. Já percebeu que gay está sempre contando algum caso de ego?

Diante de tudo isso, como ter um relacionamento gay maduro?

Entendo que a primeira coisa a se fazer é preservar a si mesmo. Muita gente trai porque o outro trai (ou acha que trai). Em outras palavras, a infidelidade justifica a infidelidade e esse pensamento é raso mas comum. A infidelidade de um não deve ser justificada pela falta de seriedade do outro. Rege a regra: não faça com o outro o que você não quer para você. Isso, se você realmente busca um relacionamento mais maduro. Isso, se você é maduro!

Quando estiver namorando, não precisa manter a rotina intensa de baladas que você teria se estivesse solteiro. Certo ou errado, na balada as pessoas estão para se divertir e não se preocupam muito se você ou seu parceiro estão disponíveis ou não. Numa dessas, alguém pode despertar o seu interesse ou o interesse do seu namorado e aí vem a bagunça.

O legal de estar num relacionamento não é ostentar o namorado em baladas, mostrar para os outros que ele tem seus atributos ou chamar a atenção alheia. O legal de um namoro gay é poder experenciar outras coisas, como é em qualquer relacionamento.

Já pensou em viajar com seu namorado mas está faltando dinheiro? Deixe de ir em 4 baladas!

O mundo exclusivamente gay é repetitivo, viciado e é só uma pontinha de tugrind-2do que um casal pode realizar. A gente, muitas vezes, fica viciado na rotina gay, de querer ver e ser visto e esquece que, quando se namora, não precisa mais disso. A gente tem dificuldade de “virar a chave” e deixa portas abertas para potenciais paqueras. E faz isso por puro exercício do ego. E normalmente é um ego que não se satisfaz consigo mesmo.

grind1Se você é daquele tipo que começa uma relação e parece que logo enjoa, talvez você esteja insatisfeito com você mesmo! Você fica na expectativa de querer achar alguém melhor mas não parou para pensar se você é tudo isso mesmo. Essa coisa de ser muito seletivo ou de enjoar rapidamente, no fundo, é cegueira. Cegueira por não enxergar a sua totalidade, que vai além de ser gay.

Me assumir na totalidade?

Por mais que pais nos aceitem e amigos também, nos resolvermos como indivíduos, gays, exige um esforço, exige se sobressair. A infidelidade está muitas vezes relacionada a incapacidade de um indivíduo de se entregar para um relacionamento. É mais cômodo e confortável se garantir com alguém mas deixar brechas: você sempre vai ter opções para exaltar seu ego ou alguém para ser um “estepe” caso a relação de interesse não dê certo. Do contrário, na totalidade de uma relação você se resolve com apenas um indivíduo, parceiro ou namorado. As duas coisas juntas ficam bem difíceis de se ter.

Esse conceito de fidelidade no meio gay brasileiro ainda é muito novo, imagine então o casamento. As pessoas são mais intimidadas e tem dificuldades de enxergar essa totalidade por conta de inseguranças e limites impostas por elas mesmo, impostas pela sociedade e pelo o que cada um absorve da sociedade.

Assim é a vida, com as facilidades e dificuldades. O importante é buscar a tal consciência e aceitar que a qualidade de um relacionamento depende de você, mais do que o outro. Entrar numa relação só com as pontinhas do dedos costuma não dar certo.

Publicado por MINHAVIDAGAY.

7 pensamentos sobre “Por que é tão difícil a fidelidade no meio gay?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>