Campanha de Jair Bolsonaro não levanta candidatura de Manato 

O deputado desistiu de uma reeleição garantida para fazer o palanque local de Bolsonaro

O cenário eleitoral no Espírito Santo está definido, segundo pesquisas eleitorais e lideranças políticas, sinalizando vitória do ex-governador Renato Casagrande (PSB) e maior perda para o deputado federal Carlos Manato (PSL), candidato ao governo e coordenador da campanha do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) no Estado.

Com 6% das intenções de votos na última pesquisa do Ibope, divulgada no último dia 8, a posição de Manato deve permanecer inalterada, apesar da liderança de Bolsonaro em nível nacional e também no Espírito Santo, que, no entanto, fica abaixo do índice de rejeição, de 43%, o mais alto entre os presidenciáveis.  

Mais que isso, Manato corre o risco de perder o terceiro lugar na corrida ao Palácio Anchieta para o professor e empresário Aridelmo Teixeira (PTB), por conta de uma campanha morna, sem propostas, ancorada somente no programa seguindo o conceito de Bolsonaro de militarizar ainda mais a segurança pública e outros setores da vida nacional, entre eles as escolas públicas.   

Manato, que é médico, desistiu de uma reeleição considerada garantida para assumir a candidatura ao governo. Foi a alternativa encontrada para possibilitar um palanque para Bolsonaro no Estado, diante da rejeição de todos os outros candidatos. Com a vitória, ele ocuparia um cargo de destaque em Brasília. 

Ocorre que os planos de vitória de Jair Bolsonaro podem não se concretizar, de acordo com lideranças políticas, que observam crescimento insignificante mesmo depois da repercussão da facada sofrida pelo candidato na cidade mineira de Juiz de Fora, no dia 6 deste mês, e as projeções negativas para um eventual segundo turno.

O esvaziamento de propostas de Manato também repercute negativamente. Em um dos vídeos mais recentes, ele aparece ao lado do também deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, que pede votos e informa que Manato vai ajudar a segurança no Estado, além de ser médico. Outro cabo eleitoral é Magno Malta (PR), líder da campanha ao Senado, que o chama de “Manatinho” e bate na tecla de defensor da família e dos bons costumes. 

Além disso, outro revés começa a tomar corpo, tanto nacionalmente quanto no Espirito Santo, nas redes sociais, liderado por mulheres, que já se aproxima de um milhão de seguidoras.  “Mulheres unidas contra Bolsonaro”, que em poucos dias já reúne 1 milhão de pessoas, e organiza atos em todo o Brasil, inclusive em Vitória. 

1 Comentários
  • Di ramon , quinta, 13 de setembro de 2018

    Reportagem rasa, com pouca fundamentação... É fato que Manato não está bem nas "pesquisas", mas daí comparar sua candidatura a de Bolsonaro, e ainda dizer que "lideranças políticas observam insignificante" de sua campanha. Acho que essas lideranças políticas não observaram os dados do IBOPE e das redes sociais. Qual a fonte que disse que o grupo tem 1 milhão de pessoas? E em qual rede social? Só assim poderemos verificar se a informação procede.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

A herança de PH

Com vitória de Bolsonaro, Carlos Manato ocupará hierarquia do espaço deixado por Hartung

Campanhas de Haddad e Bolsonaro realizam últimas ações no Estado

O ''vira voto'' pró-Haddad ganhas as ruas, enquanto apoiadores de Bolsonaro preparam caminhada e festa

Ódio, presente

O discurso de ódio vira marca da campanha presidencial e recebe estímulo de lideranças evangélicas

Manato expulsa jornalista de reunião em Brasília: 'sou autoritário!'

Marcos Rosetti atribui atitude a informações publicadas em reportagens com críticas ao deputado