Luta contra chuva de agrotóxicos vai parar no STF

Sindicato das Empresas de Aviação ajuizou ação contra lei que proíbe pulverização aérea

O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 529), com pedido de medida liminar, para questionar a Lei 1.649/2017, do Município de Boa Esperança, no norte do Estado, que proíbe a pulverização aérea de agrotóxicos na localidade. Segundo a entidade, a lei invade competência da União para regular a matéria.
 

A notícia foi veiculada no site do STF nessa terça-feira (17), destacando normas legais que regulamentam a aviação agrícola em nível federal: Decreto-Lei 917/1969 e Decreto 86.765/1981.

Na ação, que tem como relator o ministro Gilmar Mendes, o Sindag alega que a lei de Boa Esperança contraria os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana, do valor social do trabalho e da livre iniciativa, além de ofender o direito constitucional ao trabalho, os princípios gerais da atividade econômica e os princípios da razoabilidade e da segurança jurídica, uma vez que o uso dos defensivos agroquímicos é feito de acordo com as diretrizes e exigências dos órgãos federais responsáveis pelos setores da saúde, do meio ambiente e da agricultura.

Além de Boa Esperança, pelo menos outros dois municípios capixabas já aprovaram legislação própria proibindo a atividade: Nova Venécia e Vila Valério, no noroeste e centro-oeste do Estado.

Toda essa região acima do Rio Doce é brutalmente atacada por diversas práticas que visam atender às monoculturas dos grandes proprietários e usurpadores de terras no Espírito Santo, especialmente às de eucaliptos, cana-de-açúcar e pecuária, além de banana e café com limão.

Tais culturas foram citadas pelo deputado Freitas (PSB) no último dia 20 de junho em sua justificativa para apoiar o arquivamento do PL nº 31/2016, proposto por Padre Honório (PT), que objetiva proibir a pulverização aérea de agrotóxicos em todo o território capixaba.

Além do autor, somente Sergio Majeski (PSB) votou a favor da tramitação do PL. Todos os demais votaram pelo arquivamento.

Munido de slides e fala acalorada, Freitas deixou claro que as chuvas de agrotóxicos visam atender às monoculturas, citando como exemplo a lagarta do eucalipto, que só consegue ser exterminada dessa forma. Em contrapartida, Padre Honorio defendeu a Agricultura Familiar, para quem as pulverizações são extremamente prejudiciais.


Casos de contaminações de lavouras familiares e mesmo casas e escolas localizadas nas proximidades das monoculturas que contratam as pulverizações aéreas são  frequentes em todo o Estado.

Muitas pessoas sentem os efeitos do envenenamento de forma aguda, com tonturas, náuseas e outros sintomas. E observam a morte de plantações inteiras e animais, sejam os domésticos, como galinhas, sejam os selvagens, como pássaros e mesmos peixes dos córregos atingidos.

O Padre Romário, um dos incentivadores da mobilização popular que resultou na lei de Boa Esperança, afirma que o momento exige uma mobilização ainda maior, em nível estadual, para sensibilizar o STF a derrubar a ação do Sindag. “Foi a população quem exigiu essa postura dos vereadores e do prefeito”, reafirma. E até hoje, conta, as pessoas o param nas ruas para agradecer, para falar da satisfação com a lei. “Gente que sentia dores de cabeça e outros problemas, por causa das pulverizações”, conta. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Ministro do STJ admite recurso que pode federalizar julgamento de PMs capixabas

Com admissão do ministro João Otávio de Noronha, recurso terá novo julgamento pelo STF

Estados ingressam ao habeas corpus concedido ao sistema socioeducativo capixaba

Com a medida, a redução da superlotação em até 119% pode ser estendido para outras regiões do País

Defensoria verifica se municípios têm estrutura para receber adolescentes

As cidades do norte e noroeste terão que aplicar as medidas socioeducativas de meio aberto 

Sobrevoos com agrotóxicos penalizam até crianças em São Mateus

Aviões voam baixo sobre casas e escolas. Pessoas passam mal e lavouras são “queimadas"