MST realiza seminário sobre Reforma Agrária Popular na Ufes

João Pedro Stedile, do MST, é um dos palestrantes mais aguardado para o evento que acontece na noite desta quarta-feira (6)

Nesta quarta-feira (6), a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) realiza o seminário "Universidade e luta de classes: os desafios da Reforma Agrária Popular". A palestra mais aguardada é a de João Pedro Stedile, membro da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).
 
Stedile é mestre pela Universidade Nacional Autônoma do México, foi assessor da terceira turma do Curso de Especialização em Economia e Desenvolvimento Agrário, promovido pelo curso de Economia da Ufes, em parceria com a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF). Universidade popular criada e mantida por movimentos sociais. O curso é ministrado sob o método da pedagogia da alternância a militantes de movimentos sociais de todo o país.
 
A pedagogia da alternância é um método que mescla períodos de aulas tradicionais com o de aplicação dos aprendizados em casa e é muito usada nas áreas rurais de todo o mundo. A ideia é evitar que os alunos percam tempo no deslocamento entre a escola e suas moradias.
 
O educador Daniel Mancio, da ENFF, classifica a Reforma Agrária Popular como “um projeto de sociedade“ e qualifica que o papel da universidade, com a formação dos profissionais e quadros de tal projeto, é fundamental. Ele também pontua que a universidade é um espaço propício para a polarização de ideais e críticas aos rumos da sociedade. 
 
O seminário é uma realização da ENFF com apoio do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo (Sindpúblicos), Sindicato dos Bancários, Associação dos Docentes da Ufes (Adufes), Pró-Reitoria de Extensão (Proext-Ufes), Levante Popular da Juventude e MST.
 
O evento acontecerá no auditório Manoel Vereza, no Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE), no campus de Goiabeiras da Ufes, a partir das 19h. A entrada é aberta ao público.
  • Palavras-Chaves
Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.