Policiais militares desligados fazem novo ato em prol de anistia

Ex-PMs vão recolher assinaturas para abaixo-assinado em frente à Assembleia Legislativa 

Os policiais militares que foram desligados da Corporação após a paralisação de fevereiro de 2017 vão realizar mais um ato em prol da anistia administrativa. Desta vez, os ex-PMs vão se reunir em frente à Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira (9), a partir das 15 horas, para recolher assinaturas para um abaixo-assinado que já tem mais de 20 mil adesões coletadas num prazo de quarenta dias. Tramita na Casa um projeto de iniciativa popular pela anistia.

A presidente do Fundo de Amparo aos Militares Capixabas (Famcap), Michele Ferri, criado pela Associação de Cabos e Soldados (ACS) para ajudar os ex-PMS, explicou que a concentração será no ponto de ônibus que fica em frente à Assembleia, com o objetivo de coletar o maior número de assinaturas possíveis em prol do projeto.

“O objetivo final é coletar 40 mil assinaturas”, disse Michele, que completa: “Precisamos trazer de volta ao serviço todos os militares excluídos e que estão respondendo a processos, para que o efetivo aumente mais nas ruas. Além disso, precisamos motivar os que estão trabalhando, pois muitos estão preocupados, já que a qualquer momento podem ser indiciados e também sentem a dor dos seus irmãos sendo excluídos”, disse.

Para a ex-PM, os procedimentos administrativos foram injustos. “Sempre trabalhamos obedecendo ordens. E não recebemos uma ordem para desobstruir as entradas dos batalhões, onde os familiares dos militares faziam seu movimento. Os oficiais que deveriam ter dado essa ordem não foram desligados”, disse Michelle, que ainda não encontrou outro emprego e, assim como os demais PMs, tem sobrevivido com ajuda do fundo criado pela Associação de Cabos e Soldados (ACS).

“Tem sido muito difícil deixar um trabalho que era feito com amor. Para um ex-PM é quase impossível arrumar um emprego, existe muito preconceito”, completou. 

No dia 13 de julho deste ano, os ex-policiais militares realizaram um movimento em frente ao Quartel do Comando Geral (QCG), localizado em Maruípe, Vitória. Vinte dos 22 PMs expulsos participaram da ação, cujo objetivo também foi o de recolher assinaturas para proposição de um projeto de lei de iniciativa popular na Assembleia Legislativa para a anistia dos militares afastados. 

Os ex-PMs levaram uma faixa, estendida à frente dos carros quando o sinal em frente ao QCG fechava, com os dizeres “Anistia, a Paz é o Caminho”. 

Anistia de crimes

Paralelo ao pedido de anistia estadual, que estaria focado nos PMs desligados por procedimentos administrativos, um pedido federal também está em curso. Nesse caso, para beneficiar os militares que respondem processo na esfera criminal. 

No dia 11 de julho, o Plenário da Câmara Federal aprovou o requerimento de urgência para a votação do Projeto de Lei 6.886, de autoria do deputado federal Carlos Manato (PSL), que solicitou a inclusão do Espírito Santo na Lei 12.505, de 2011, que já concede anistia a militares em 22 estados e no Distrito Federal. A proposta, prevista para entrar este mês em votação, deve beneficiar cerca de 700 militares capixabas.

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

MPF processa associações e pede ressarcimento de R$ 37 milhões

Ação pede ainda pagamento de R$ 12 milhões por dano moral coletivo aos residentes no Estado

Justiça Militar voltará a julgar PM’s acusados de envolvimento em greve

As audiências serão retomadas depois de que STJ reafirmou competência da vara estadual

Lei federal pode beneficiar 700 militares capixabas com anistia

Plenário da Câmara aprovou urgência para votação de PL que solicita anistia para policiais militares

TJES vai realizar audiência de conciliação entre militares e governo

Já a audiência da Vara da Auditoria Militar, marcada para essa quarta-feira, foi cancelada