TJES vai realizar audiência de conciliação entre militares e governo

Já a audiência da Vara da Auditoria Militar, marcada para essa quarta-feira, foi cancelada

Mais um capítulo para a novela judicial que se arrasta desde a paralisação da Polícia Militar em fevereiro de 2017. O Centro Judiciário de Solução de Conflitos, órgão do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), marcou para o próximo dia 13 de julho, uma sessão de conciliação entre a Associação de Cabos e Soldados (ACS) e o governo. 

A audiência é resultado de ação judicial impetrada pela ACS, tendo como modelo ação semelhante realizada pela associação de militares de Minas Gerais. “Adaptamos a experiência de Minas e a conciliação acontecerá no Espírito Santo a partir de uma ação movida por nós. O policial militar não pode fazer greve, mas o governo ter que ter uma mesa permanente de negociação”, afirma o presidente da entidade, sargento Renato Martins.

De acordo com um dos advogados da ACS, Tadeu Fraga, que adaptou o documento de Minas Gerais para a realidade dos militares capixabas, a mediação é uma das mais importantes ferramentas judiciais para a solução de conflitos.

“Ela tem lugar numa fase pré-processual em que, normalmente, as partes em conflitos não conseguem se aproximar para discutir suas diferenças, como há muito vem ocorrendo entre a tropa e o governo estadual. Vencida a resistência das partes, pela atuação pontual do Centro Judiciário de Solução de Conflitos, elas se reúnem em torno de uma pauta prévia sob o auxílio do mediador. Eventual entendimento acaba por evitar 'o processo', que, todos sabem, resulta numa luta interminável e desgastante”.

Audiência cancelada 

A Vara da Auditoria Militar cancelou a audiência marcada para essa quarta-feira (4) em que começaria a julgar os policiais militares acusados pelo Ministério Público Estadual (MPES) de participação na paralisação de fevereiro de 2017, começando pelos PM’s que atuam no 7º Batalhão (Cariacica). O motivo seria a impossibilidade de composição integral do Conselho Permanente de Justiça e, por enquanto, não há previsão para quando será remarcada. 
Para a Associação de Cabos e Soldados (ACS), a forma como o Ministério Público vem aderindo às versões estabelecidas pela Corregedoria está prejudicando os praças e protegendo quem efetivamente liderou a greve. 
“A Polícia toda parou no ano passado. Não foi o cabo ou o soldado que parou. Parou sargento, parou subtenente, oficial, parou todo mundo, mas agora as ‘lanças’ só estão sendo apontadas para os praças”, destacou o advogado Tadeu Fraga. 

O também advogado Victor de Abreu, aponta que os oficiais também deveriam responder por motim. “Estão discutindo o fato dos soldados não terem voltado, só estão querendo discutir quem não voltou quando, na verdade, tem que se discutir quem parou”, disse.

O processo contra os militares que são representados pela Associação de Cabos e Soldados (ACS) tem 14 volumes e mais 1,2 mil páginas. “Li todos os volumes do processo e chego à conclusão de que o oficialato sai protegido e a base massacrada”, afirmou Tadeu Fraga.

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

Alta cúpula do governo vai ser investigada por omissão na greve da PM

MPES vai investigar Hartung e o atual secretário de segurança, coronel Nylton Rodrigues

Contrariando STF, Tribunal de Justiça do Estado manda soltar Valci Ferreira

Valci deverá ser recolhido em prisão domiciliar, pelo prazo de 60 dias, para que seja submetido a exames

ONG Raízes da Piedade critica política de segurança do Estado

Em tom de tristeza, entidade lamenta falta de diálogo da Secretaria de Segurança com moradores

Entidades querem uma política de segurança pública comunitária

Ações são anunciadas por Nylton Rodrigues de forma unilateral e estigmatizando as periferias