Aprovados em último concurso da Defensoria entram na Justiça por nomeações

Um grupo restante de 15 candidatos ingressou com a ação na Vara da Fazenda Estadual

Quinze candidatos aprovados no último concurso para a Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES) acionaram a Justiça para que a entidade faça novas nomeações diante do déficit de profissionais no Estado. Na próxima quarta-feira (18) o certame perde a validade de forma definitiva, sem possibilidade de renovação, pois de acordo com o edital, de 2017, tem validade de um ano, podendo ser estendido pelo mesmo prazo apenas uma vez. 

Na inicial ingressada na 5ª Vara da Fazenda Estadual de Vitória, os candidatos pedem que seja concedida tutela provisória de urgência em caráter liminar, determinando a nomeação imediata dos aprovados para o cargo de defensor público nível I do Estado. Caso não seja determinada a nomeação, os candidatos solicitam a prorrogação do prazo de validade do concurso por mais um ano ou a sua suspensão. 

Os candidatos, que criaram uma Comissão dos Aprovados no IV Concurso da DPES, alegam que “é evidente a urgente necessidade de que sejam nomeados novos defensores públicos, tendo em vista que, atualmente, apenas 26 (vinte e seis) das 69 (sessenta e nove) comarcas do Espírito Santo contam com membros da carreira”. 

Informações da DPES, por sua vez, apontam que a entidade está avaliando todas as possibilidades para nomear mais defensores e, se houver como, mais nomeações serão feitas até final do prazo final de validade do concurso. A entidade, no entanto, não soube dizer o quantitativo. 

Carta aberta 

Os aprovados no último concurso lançaram, recentemente, uma terceira carta aberta direcionada ao governador Renato Casagrande (PSB). No texto, alegam que, diante do fim definitivo da validade do certame, o cenário no Estado continua o mesmo: apenas 26 das 63 comarcas desfrutam do acesso à justiça integral e gratuito, nos moldes exigidos pela Constituição Federal. Em contrapartida, até setembro deste ano, foram gastos mais de R$ 9,9 milhões com advocacia dativa, montante suficiente para custear, anualmente, quase 100 novos defensores. 

No documento, os 15 candidatos pedem ao governo do Estado que se sensibilize com a causa e priorize o interesse de 80% da população capixaba que dependem da Defensoria Pública para fazer valer seus direitos, realizando as nomeações. “A relevância da instituição na garantia de cidadania aos menos favorecidos é inegável. É a Defensoria quem dá voz às minorias, oferecendo-lhes consciência de direitos e expectativa de concretização. Por isso, uma Defensoria fortalecida significa desenvolvimento social e econômico para o Estado”, relataram na carta aberta. 

De acordo com as estimativas, existem mais de 100 cargos vagos para a carreira de defensor público no Estado. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Defensores receberam mais de 100 denúncias de imóveis abandonados no Centro

Levantamento foi realizado em 2019 em parceria com a Associação de Moradores do Centro de Vitória

Concurso perde a validade e 19 defensores públicos são nomeados em dois anos

Déficit de profissionais, mesmo com reforço, continua sendo a realidade na maioria dos municípios 

Concurso para delegado da Polícia Civil é suspenso após ação da Defensoria

Houve desproporcionalidade na pontuação da prova prática e ausência de lista de classificação

Direitos Humanos: superlotação continua sendo problema nas prisões do Estado

Já no socioeducativo, habeas corpus do Supremo que limita taxa de ocupação é cumprido depois de reação