Bancários denunciam fechamento de agência do Banestes no Centro de Vitória

Jonas Freire, do Sindibancários, protestou contra ameaças ao banco na Câmara de Vereadores

O fechamento da agência do Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes) no Centro de Vitória foi denunciado pelo Sindicato dos Bancários (Sindibancários-ES) na Câmara de Vereadores, nessa quarta-feira (11). O coordenador-geral da entidade, Jonas Freire, alertou sobre o impacto da medida para os moradores do bairro e as ameaças ao banco, que incluem ainda a terceirização de setores estratégicos. A categoria divulga um abaixo-assinado para a população contra a medida, para ser encaminhado ao governador Renato Casagrande.

A agência que terá suas atividades encerradas, em janeiro próximo, é a da rua Graciano Neves, instalada há 40 anos no local, atendendo a seis mil correntistas, entre moradores e comerciantes da região. “Será um prejuízo grande para aquela comunidade. Há um debate sobre revitalizar o Centro de Vitória, e o fechamento da agência vai no sentido contrário. Além disso, é uma agência rentável. Mesmo que não fosse, o Banestes tem um papel social a cumprir e para isso precisa de uma rede de agências forte e presente em todo o território capixaba”, ressaltou Jonas.

Ele reforçou a importância do Banestes como agente de políticas públicas no Estado e lembrou o compromisso assinado por Casagrande em 2018, quando candidato, de não privatizar o banco estadual. “Os movimentos que vemos, de terceirização, fechamento de agências e demissão enfraquecem o banco, favorecendo a privatização. Por isso essas medidas desrespeitam o compromisso assumido pelo governador”, disse.

Durante a sessão na Câmara, o vereador Vinícius Simões (Cidadania) fez contato com o presidente do Banestes, Amarildo Casagrande, pedindo esclarecimentos sobre o fechamento da unidade. A justificativa foi de que a agência precisava de adequações de acessibilidade. O banco é alvo de ação civil pública movida pela Associação de Defesa de Pessoas com Deficiência (Apasod), que atestou descumprimento da legislação na agência da Graciano Neves.

O motivo, no entanto, é contestado pelo coordenador-geral do Sindibancários e vereadores. “Se a exigência é de acessibilidade, por que não encontrar outro imóvel no Centro que seja adequado?”, perguntou o vereador Roberto Martins (PTB). “Não podemos retroceder. Se o projeto é revitalizar o Centro, temos que abrir agências, e não fechar”, ressaltou ainda Waguinho Ito (Cidadania).

Uma comissão foi criada no legislativo municipal, formada por Martins, Waguinho, Vinícius Simões e Sandro Parrini (PDT), para tentar mediar uma conversa com o governador e a direção do Banestes, no sentido de reverter a decisão. 

Nesta sexta-feira (13), o Sindicato dos Bancários realizará um café da manhã em frente à agência da Graciano Neves, às 9 horas, aberto à população, a fim de sensibilizar a comunidade e cobrar a permanência da unidade. Na ocasião, também serão formalizadas adesões ao abaixo-assinado.

Compromisso

Para impedir a privatização do Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes), sugerida pela Federação das Indústrias do Estado (Findes), o Sindicato dos Bancários assinou termo de compromisso com os seis candidatos ao governo do Estado na eleição do ano passado. Todos se comprometeram em manter o banco público e estadual, além de contratar mais empregados apenas por meio de concurso público.

A proposta da Findes repetiu discurso do ex-governador Paulo Hartung, que fez sua última tentativa de vender o Banestes em 2009. A negociação com o Banco do Brasil chegou a ser considerada certa, mas o negócio não se concretizou porque o banco se recusou a pagar R$ 1,7 bilhão, oferecendo somente R$ 800 milhões.

O termo do Sindibancários firmou ainda com os então candidatos o compromisso de elaborem Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que garanta ao Estado o controle acionário do Banestes, mantendo o banco como patrimônio público e vinculado ao governo do Estado. Além disso, a revogação da PEC, no caso de tentativas futuras de privatização, só poderá ser feita mediante aprovação da Assembleia Legislativa e consulta à sociedade por meio de plebiscito popular.

Além disso, que o governador mantenha canais de negociação de acordos coletivos com os empregados do Banestes e fortaleça a Fundação Banestes de Seguridade Social (Baneses) e a Caixa de Assistência dos Empregados do Banestes (Banescaixa), com “um diálogo permanente com a representação dos trabalhadores e os funcionários do banco”.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Câmara convoca secretária para explicar falta de médicos para pessoas com HIV

Cátia Lisboa, que dirige a Saúde em Vitória, deve comparecer ao legislativo no dia 17 ou 20 deste mês

Moradores do Centro querem gestão participativa do Mercado da Capixaba

Temor é de que edifício público seja entregue à iniciativa privada sem espaço para diálogo com entorno

Em 'Fenda e Vulcão', a literatura feminista de Cora Made

Autora apresenta sua primeira obra publicada na Quarta Literária do Thelema, no Centro de Vitória

Casa antiga será transformada em espaço cultural no Centro de Vitória

Loja Thelema e outros empreendimentos se juntam na Rua Graciano Neves, a partir de fevereiro