Frente Unificada convoca nova mobilização geral para esta quinta-feira

Expectativa é reunir novamente 1,5 mil PMs e civis, desta vez na SEP, para início da negociação salarial

Mil e quinhentos policiais civis, militares e bombeiros conclamam mais uma grande mobilização, a ser realizada na próxima quinta-feira (13), a partir das 13h, quando o governo do Estado irá receber a Frente Unificada de Valorização Salarial dos Policiais Militares, dos Policiais Civis e dos Bombeiros Militares para uma reunião sobre reajuste salarial. 

As categorias pretendem se concentrar em frente ao Edifício Fábio Ruschi, no Centro de Vitória, onde funciona a Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP), do secretário Álvaro Duboc, local marcado para o encontro, o primeiro que o Executivo aceitou realizar desde a formação da Frente Unificada, em maio de 2019. 

“A nossa proposta de recomposição salarial está com o governo desde o segundo semestre do ano passado. Mas ainda não recebemos nenhuma resposta concreta”, afirma a presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Espírito Santo (Sindepes), Ana Cecília de Almeida Mangaravite. 

O contingente de 1,5 mil servidores previsto para quinta-feira representa cerca de 15% de todo o efetivo de policiais civis e militares e de bombeiros do Estado. E é o mesmo que já se fez presente na reunião desta segunda-feira (10) na Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales). 


Foto: Ellen Campanharo/Ales

Na Assembleia, munidos de cartazes e faixas, os servidores da segurança pública capixaba protestaram contra a falta de diálogo com o Executivo. Após a reunião, saíram em passeata pelas ruas da Enseada do Suá, conclamando uma negociação efetiva, que retire o Estado da lanterna nacional do ranking de salários do setor.

“Os ânimos estão extremamente exaltados e os policiais aguardam uma resposta concreta e que seja realmente satisfatória, com recomposição escalonada, até 2022”, declara Ana Cecília. O objetivo da Frente, enfatiza a presidente do Sindepes, é que os salários dos policias capixabas estejam competitivos com os de outros estados. 

E para chegar a uma média nacional, são necessários bem mais do que os 12% - total de 4% por ano até 2022 – anunciados pelo delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Santos Arruda, em vídeo circulado nas redes sociais na última sexta-feira (7). 

“Esse anúncio do governo não faz o menor sentido. Os policiais entenderam e por isso rejeitaram. É desrespeitoso para o policial essa proposta. O salário do policial capixaba está sendo motivo de chacota no país. O próprio governo está estimulando a revolta dos policiais ao anunciar esses 4% ao ano até 2022”, relata Ana Cecília. 

A proposta da Frente é de um reajuste mínimo de 45%, até 2022, isso descontada a revisão geral anual de recomposição da inflação, que, em 2019, foi de 3,5%.


Foto: Ellen Campanharo/Ales

Cada categoria tem uma realidade, explica a presidente do Sindepes. “Quarenta e cinco por cento é o mínimo”, ratifica, ressaltando que a proposta da Frente cabe no Orçamento do Governo, mantendo o equilíbrio fiscal. 

As associações e sindicatos apresentaram um documento à Comissão de Segurança com outras demandas das categorias, como revisão geral anual, incorporação de escala especial, incorporação de percentual de função gratificada de 15% e abertura de concursos públicos para suprir a defasagem de servidores.

Assembleia Geral Extraordinária 

O episódio de sexta-feira protagonizado pelo delegado-geral José Darcy também motivou a realização de uma assembleia geral extraordinária convocada pelo Sindepes e pela Associação dos Delegados de Polícia do Espírito Santo (Adepol/ES), presidida pelo delegado Rodolfo Queiroz Laterza, nesta terça-feira (11), às 10h, na sede administrativa das entidades, em Bento Ferreira, Vitória. 

A Frente Unificada de Valorização Salarial dos Policiais Militares, dos Policiais Civis e dos Bombeiros Militares é integrada, além da Adepol/ES e Sindepes, pela Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e Pensionistas de Militares do Estado do Espírito Santo (Aspomires); Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Espírito Santo (ABMES); Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado do Espírito Santo (ACSPMBMES); Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar do Estado do Espírito Santo (Asses); Associação dos Oficiais da Polícia Militar do Estado do Espírito Santo (Assomes); Sindicato dos Investigadores de Polícia Civil do Estado do Espírito Santo (Sinpol); e Associação dos Investigadores de Polícia do Estado do Espírito Santo (Assinpol).

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
2 Comentários
  • SINDIPERITOS , segunda, 10 de fevereiro de 2020

    O Sindicato dos Peritos não aceita o índice de 45%. Isso retira os Peritos Oficiais capixabas do vigésimo sétimo lugar do país (último lugar) e passa para o vigésimo quinto (anti-penúltimo). A pauta dos Peritos Oficiais é pública: autonomia funcional, desvinculando a Perícia da Polícia Civil (já praticada em dezoito estados); e isonomia como já ocorre em seis estados na Polícia Federal. SINDIPERITOS/ES

Matérias Relacionadas

‘Não sentamos com a Frente e não sentaremos’, afirma secretário Tyago Hoffmann

Governo recebeu contraproposta de reajuste das associações de militares e responderá depois do Carnaval

Ato da Frente Unificada mantém vigília em reunião do governo com entidades

Em passeata, manifestantes seguiram até o Palácio da Fonte Grande, onde aguardam nova proposta de reajuste

Policiais e bombeiros mantêm mobilização e cobram reunião com o governo

Sindepes e Adepol anunciam instaurar investigação sobre conduta do delegado-geral José Darcy Arruda

Entidades de delegados acusam José Darcy de anúncio ilegal de reajuste salarial

Delegado-geral da PC veiculou em redes sociais plano de reajuste salarial tratado com apenas um sindicato