‘Há diferenças abissais entre 2020 e fevereiro de 2017’, compara secretário

Tyago Hoffmann ressalta que o governo agora negocia. ‘Temos a maior proposta de reajuste salarial do país'

“Nós temos a convicção de que todos no Espírito Santo temem um novo fevereiro de 2017, inclusive a Polícia. Mas é importante dizer que ‘há diferenças abissais entre 2017 e hoje’”, afirma o secretário de Estado de Governo (SEG), Tyago Hoffmann, após reunião do Conselho da Polícia, realizado durante toda a manhã desta sexta-feira (14). 

São duas as principais diferenças, compara: primeiro, em 2017 não havia diálogo do Estado com a categoria de segurança pública; e, segundo, o governo tem uma proposta de reajuste e está aberto a negociar. 

“O que tem que ser questionado pela sociedade é: por que fazer movimento paredista no meio de uma negociação? Qualquer movimento que ocorra nessa direção, precisamos questionar como sociedade. O governo está negociando, está na mesa, tem proposta, está estudando uma contraproposta. Não vemos clima, não acreditamos que possa acontecer”, avalia. 

A atual conjuntura das negociações foi discutida durante a reunião do conselho, que reúne os principais gestores da Polícia Civil do Espírito Santo: delegado-geral, delegado-geral adjunto, coordenador-geral, diretor da Academia de Polícia, além de superintendentes temáticos e regionais e de representante do Sindicato dos Policiais Civis do ES (Sindipol). “É um órgão de Estado, os participantes são pessoas de confiança do governo e têm função gratificada”, explica Tyago. 

Nessa sexta-feira, o objetivo foi melhorar o conhecimento dos conselheiros sobre a proposta do governo para o reajuste da segurança pública, incluindo detalhamento do custo dela pro orçamento estadual e sua superioridade em relação aos outros estados da federação. “Orientações para o Conselho dialogar com seus comandados, pra que a informação chegue até a ponta, a todos os delegados, da capital e do interior”, informou o gestor da SEG.

Tyago é enfático: “nenhum outro estado está fazendo uma proposta como a nossa. Quem fez proposta até agora foi inferior. Minas Gerais é maior, mas exclusiva a militares”, contextualiza. “É mais do que o dobro da inflação anual prevista pelo Banco Central”, diz, referindo-se aos 4% anuais que são propostos até 2022, além da reposição inflacionária, que em dezembro de 2019 foi de 3,5%. Considerando reajuste em cima de reajuste, o triênio deve garantir às categorias de segurança pública quase 30% de reajuste. 

O percentual, afirma, permite ao Estado garantir algumas premissas das quais o governo não abre mão: o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal e a manutenção da nota A na gestão fiscal. Premissas que não são um fim em si mesmas, ressalta Hoffmann, mas mantê-las “é importante para conseguir financiamentos mais baratos, é um porto-seguro para investidores, permite atrair novos investidores”, argumenta. 

“Nós estamos sendo muito enfáticos em relação ao percentual oferecido, já fomos no limite, é o dobro da inflação. Mas há outras questões que cabem negociação, e vão ser avaliadas”, diz. E são essas outras pautas que serão analisadas pela equipe técnica do governo, a partir da contraproposta apresentada pelas associações de militares nesta quinta-feira (13) durante a reunião no Palácio da Fonte Grande. 

Na reunião desta sexta, o Conselho de Polícia convidou a presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Espírito Santo (Sindepes), Ana Cecilia Mangaravite, para apresentar a contraproposta da entidade. “A presidente afirmou que a proposta dos delegados é a mesma que foi apresentada pelos militares”, relata o secretário Tyago Hoffmann. 

O próximo passo das negociações, até que se chegue numa proposta final, a ser encaminhada para a Assembleia Legislativa, é avaliar essa contraproposta e reunir-se novamente com as entidades para dar o retorno. “Isso vai acontecer logo após o carnaval”, anunciou. 

“É hora de se acalmar, não acirrar os ânimos. Vamos continuar negociando. Não temos medo de diálogo, para esclarecer nossa proposta, mostra os limites dela e avançar em alguns pontos que forem possíveis”, explanou. “O governo tem premissas. Pra que dar 50% e depois não conseguir pagar? E as outras categorias? É justo com elas? Toda negociação tem limite. Em termos de percentual temos limite, mas estamos abertos a outros pontos de reivindicação, aguardando que, pro bem de todos, possamos chegar num bom termo”.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
4 Comentários
  • Vinicius , sexta, 14 de fevereiro de 2020

    Muita falação e nada de reajuste, da parte deste povo...

  • Patricia , sábado, 15 de fevereiro de 2020

    Por puro orgulho, essa equipe desse governo tenta a todo custo mostrar que pode fazer o mesmo trabalho da equipe do finado governo hartung. Assim, eles cometem um erro fatal: não terão apoio para reeleger o casagrande em 2022. Há espaço fiscal para conceder a reposição pleiteada pelos operadores de segurança pública, mas o governo casagrande vai dobrar a meta do hartung - o que pode ser prejudicial a toda população capixaba. Por fim, fica a lição: não confiar jamais em partidos de esquerda, principalmente um que tem o "S" de socialista em sua sigla. Eles só pensam no poder pelo poder e, em geral, não gostam de militares. Paciência, assim como arrancamos o pt do poder na Presidência da República, podemos fazer o mesmo aqui. Deus proteja e dê força a todos os agentes que labutam na segurança.

  • Forken , segunda, 17 de fevereiro de 2020

    Ceará acabou de dar 100% de aumento para o próximo triênio. Desde 2008 até 2020 houvem 30% de perdas salariais. Se contar juros sobre juros, da quase 45%. 2009 - 1,9% de perda 2011 - 0,4% de perda 2012 - 2% de perda 2013 - 1,84% de perda 2014 - 0,91% de perda 2015 - 6,41% de perda 2016 - 10,67% de perda 2017 - 6,29% de perda 2019 - 0,81% de perda Qualquer coisa que for dada a qualquer servidor será apenas a recomposição salarial, que é direito. Ele ofereceu 4% em 2020 + 4% em 2021 e 4% em 2022. 4+4+4, mas faz um malabarismo para isso virar 35%. Merece algum crédito ou respeito?

  • MARCELO , segunda, 17 de fevereiro de 2020

    Mas dá 60% aos defensores públicos. pode?

Matérias Relacionadas

‘Concurso é questão de sobrevivência’, diz presidente do Sindipúblicos

Tadeu Guerzet estima a demanda em 20 mil vagas. ‘Todo serviço de balcão hoje é feito por terceirizadas’

‘Não sentamos com a Frente e não sentaremos’, afirma secretário Tyago Hoffmann

Governo recebeu contraproposta de reajuste das associações de militares e responderá depois do Carnaval

Ato da Frente Unificada mantém vigília em reunião do governo com entidades

Em passeata, manifestantes seguiram até o Palácio da Fonte Grande, onde aguardam nova proposta de reajuste

Não queremos caos, e sim diálogo, afirmam entidades sobre proposta de Casagrande

Sindicatos consideram que índice de 4% ao ano é pouco, mas é início de negociação e protege a sociedade