Humanos e pombos, pragas das cidades? 

Espetáculo de rua que estreia sexta-feira, Revoada traz em teatro e dança reflexões sobre a atualidade

Fotos: Brunela Negreiros

O humano se animaliza até se tornar pombo. E de pombo, volta a ser humano. Assim, já não existem duas espécies, mas três: o humano, o pombo e o humano-pombo, um híbrido que é um pouco de cada mas nenhum dos dois. Não é só metáfora ou fantasia, mas também parte do processo de preparação dos atores e dançarinos de Revoada, espetáculo de rua que estreia nesta sexta-feira (11), na Rua Sete, Centro de Vitória. Ao todo, serão 12 apresentações em praça pública até o início de novembro (confira o cronograma no final da matéria).

Revoada surgiu a partir da necessidade de falarmos sobre nossa condição de vida nas cidades. Sobre a maneira como nós nos aglomeramos e nos relacionamos. Sobre nossa condição sub-humana. Sobre o quanto o sistema nos coloca em um transe e nos mecaniza, nos condiciona, e como isso faz esvair nossa condição de olharmos para o outro. Sobre como a existência do outro homem é indesejável para muitos. O homem se torna a própria praga”, explica Carla van den Bergen, coreógrafa e dramaturga do trabalho de dança desenvolvido em parceria entre o Grupo Z e a Repertório Artes Cênicas&Cia.

Os pombos são vistos tratados de forma dúbia pela sociedade. Há humanos que os alimentam para que sobrevivam, há os que têm nojo, pavor, que só o veem como monstros transmissores de doença. Não é difícil também fazer paralelo disso com o olhar que temos sobre a população em situação de rua ou de mendicância, cada vez mais crescente diante da situação política, econômica e social do país.

É nessas entranhas da sociedade que o espetáculo busca entrar com sua mistura de teatro e dança, pensando corpos individuais e coletivos. O rock é o estilo predominante na trilha sonora, original e criada a partir das necessidades das cenas do espetáculo, que soma também ruídos, vozes e outros elementos que criam tensões e ambientes propostos pelo trabalho.

Direitos humanos, higienização de espaços públicos, intolerância às diferenças e minorias, escolhas de soluções bélicas para resolver conflitos ideológicos, adoecimento psíquicos e corporais, censura. Tudo isso foi aparecendo ao longo da construção da obra, que reflete muito sobre a atualidade.

“Falar disso através de imagem de uma revoada de pombos nos pareceu pertinente. A praga urbana, capaz de adoecer e matar o ser humano, revestido de uma bela imagem. Eles muitas vezes são invisíveis como muita gente, dividem as calçadas, como muita gente, sobrevivem de restos e migalhas, como muita gente... ao mesmo tempo podem matar porque podem adoecer o homem, como muito homem faz com outro homem”, aponta Carla.

Surgida de pesquisas e ensaio dentro de ambiente fechado, o grupo percebeu que o espaço público era o cenário por essência para Revoada. “Todos os espaços que íamos construindo ficcionalmente na sala de ensaio eram espaços públicos. A rua e urbanidade se faziam muito presentes. Ao colocarmos isso na rua, já há a dramaturgia do próprio espaço, então tudo faz sentido. Enquanto procurávamos criar essa ambiência, agora o espetáculo assume essa característica um pouco mais performativa que é a de ocupação desses espaços, de um aproveitamento do público”, explica Nieve Matos, que assina a dramaturgia da montagem com Carla van den Bergen e Fernando Marques.

No figurino, a busca de uma imagem ao mesmo tempo estranha e familiar, “de uma tribo urbana em jogo, que se destaque e se misture aos transeuntes, causado fricção no olhar de quem ver”, aponta o diretor de arte Antônio Apolinário. Camadas de peles e couraças, corpos franksteins costurados juntando partes diversas, emplastros para curar.

Se a ficção científica imagina para o futuro os androides como fusão altamente tecnológica entre humanos e máquinas, na realidade crua das ruas aqui e agora, onde transitam os esquecidos, os humanos podem ser mais próximos de pombos do que de máquinas. É a partir daí que o público intencional ou transeunte poderá refletir em Revoada, por meio do teatro e dança, ao vivo, a cores e nas ruas.

AGENDA CULTURAL

Estreia do espetáculo Revoada

Dia 11 de outubro de 2019 (sexta-feira), às 19 horas

Rua Sete de Setembro (área calçada) - Centro - Vitória

Temporada completa:

13 de outubro (domingo), às 19 horas

Praça Nilze Mendes - Jardim Camburi (próximo à Universidade Estácio de Sá) - Vitória

16 de outubro (quarta-feira), às 15 horas

Praça Getúlio Vargas - Centro - Vitória

18 de outubro (sexta-feira), às 15 horas

Praça Costa Pereira - Centro - Vitória

19 de outubro (sábado), às 13 horas

Praça Costa Pereira - Centro - Vitória

20 de outubro (domingo), às 15 horas

Praça da Piedade - Centro - Vitória

23 de outubro (quarta-feira), às 15 horas

Praça Getúlio Vargas - Centro - Vitória

25 de outubro (sexta-feira), às 19 horas

Rua Sete de Setembro (área calçada) - Centro - Vitória

26 de outubro (sábado), às 10 horas

Praça dos Desejos - Vitória

31 de outubro (quinta-feira), às 13h30 

Ufes Campus Goiabeiras (em frente à Cantina do Onofre) - Vitória

01 de novembro (sexta-feira), às 15 horas

Praça Costa Pereira - Centro - Vitória

03 de novembro (domingo), às 15 horas

Rua Sete de Setembro (área calçada) – Centro - Vitória.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Linhares receberá sua 1° Feira de Produtos da Reforma Agrária

MST organiza comercialização de alimentos e atividades culturais para os dias 20 e 21 de março

Evento vai lembrar legado cultural russo-soviético

Com música, literatura e outras questões, Festival Russo Soviético acontece sábado no Triplex

Esquerda Festiva, Kustelão e Prakabá ainda sairão no pós-carnaval

Cinco blocos desfilam neste final de semana pelas ruas de Vitória no fechamento dos festejos

Novo game registra obras de grafiteiros capixabas

Jogo inovador foi desenvolvido em realidade aumentada pela 'crew' capixaba Made In China